Irineu Bicudo – In memoriam

Irineu Bicudo – In memoriam

Estado da Arte

30 Julho 2018 | 11h00

Faleceu, na madrugada no último dia 20, o Professor Doutor Irineu Bicudo (78), docente aposentado do Departamento de Matemática do Instituto de Geociências e Ciências Exatas (IGCE), Universidade Estadual Paulista (Unesp), campus de Rio Claro – SP.

O Professor Bicudo graduou-se em Matemática pela Universidade de São Paulo (USP), em 1963. Doutorou-se em 1973, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), sob a orientação do Professor Doutor Mário Tourasse Teixeira. Efetuou, nos períodos 1974-76 e 1978-79, suas pesquisas de Pós-Doutorado na Universidade da Califórnia, em Berkeley, UC, Estados Unidos. Recebeu o título de Livre-Docente pela Unesp, em 1979. Entre os anos de 1989 e 1993, Professor Bicudo foi Diretor do IGCE-Unesp.

Intelectual exemplar, o Professor Bicudo sintetizava profundo conhecimento matemático com grande erudição em humanidades, especialmente nos domínios de Filosofia e Letras. Dentre suas grandes contribuições, devemos a ele a tradução para o português da muito influente obra de Paul Richard Halmos, Teoria Ingênua de Conjuntos. Porém, talvez sua maior contribuição ao mundo acadêmico lusófono seja a tradução completa do grego para o português da célebre obra Os Elementos de Euclides. Tal tradução, fruto de décadas de cuidadoso trabalho e publicada pela Editora Unesp, é precedida por um belíssimo ensaio sobre a matemática grega, cuja leitura é obrigatória aos interessados na enorme herança cultural que nos legaram os helenos. No dia 3 de maio deste ano de 2018, o Professor Bicudo participou de uma edição para a série de entrevistas (podcasts) “O cânone em pauta” deste Estado da Arte, precisamente sobre “Os Elementos de Euclides”.

Suas dezenas de publicações indicam que a sua pesquisa se concentrava, inicialmente, em Álgebra Universal e Fundamentos da Matemática, e, posteriormente em História e Filosofia da Matemática, bem como em Filosofia Antiga. Além disso, brindou a comunidade acadêmica com cursos de extensão de Grego e de Latim. As traduções que efetuava em aula eram magistralmente executadas, com o mesmo rigor empregado em demonstrações matemáticas. Quem conheceu pessoalmente o Professor Bicudo sabe que ele era um perfeccionista. Quem o viu escrever, mesmo que fosse uma simples nota, com o emprego de tanto esmero e solenidade, pode atestar como tal execução invocava os modos de caprichosos escribas medievais, no cuidadoso labor de finalizar um códice.

Sua ética de trabalho era excelente. Mesmo anos após a sua aposentadoria, cumpria rigorosamente seu horário de pesquisa. Efetuava suas investigações tanto em seu gabinete, na universidade, bem como em seu escritório pessoal, em sua residência, ao lado da gentil e amada esposa, imerso num jardim composto por clássicos gregos e latinos, além de outros exemplares de sua excelente biblioteca. Si hortum in bibliotheca habes, nihil deerit – Se tens um jardim e uma biblioteca, não te falta nada.

O Professor Irineu orientou vários alunos e influenciou diversos pesquisadores. O legado que deixa é valiosíssimo. Muito salutar será à Academia, se servir de modelo para as novas safras de acadêmicos.Resquiescat in Pace.

Fábio M. Bertato
Centro de Lógica e Epistemologia – Unicamp

* * *

Um adendo mais pessoal

Uma cena inesquecível: ao refletir, no evento em homenagem aos seus 70 anos, sobre professores e colegas de sua geração, entre eles Tourasse e Castrucci, que já haviam partido desta vida, o Professor Irineu, com lágrimas nos olhos, saudosamente indagava para onde tinham ido todos. Hoje, a indagação é nossa, a saudade é nossa, as lágrimas são nossas, porque o Professor Irineu Bicudo partiu, para se reunir com seus amigos. Gostaríamos que ele ficasse um pouquinho mais conosco. Enfim, temos de aplicar triste, porém, esperançosamente o latim: Resquiescat in Pace.

Para finalizar, um agradecimento pessoal de quem muito se beneficiou de seu breve convívio: Gratias tibi ago, Magister!

Confira:

 

Mais conteúdo sobre:

Irineu Bicudo