Verão Sem Censura: festival leva mais de 40 atrações gratuitas a vários pontos de São Paulo
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Verão Sem Censura: festival leva mais de 40 atrações gratuitas a vários pontos de São Paulo

Redação Divirta-se

16 de janeiro de 2020 | 15h12

Danilo Casaletti (especial para o Estado), Guilherme Sobota, Julio Maria e Leandro Nunes

MÚSICA

Pussy Riot

Foto: Gabriela Biló/ Estadão

+ Elas fazem um punk estrondoso por aquilo que dizem e pela forma que tocam. O grupo feminista russo Pussy Riot (na foto, a vocalista Nadya Tolokonnikova) se tornou referência em ativismo desde que suas integrantes foram presas na Rússia e passaram 21 meses atrás das grades por desafiarem o governo de Vladimir Putin, em 2013. A banda está de volta a São Paulo – agora, como atração internacional do festival promovido pela Prefeitura. No show, que fazem em frente ao Centro Cultural São Paulo, elas recebem a cantora trans Linn da Quebrada. CCSP. R. Vergueiro, 1.000, metrô Vergueiro. 30/1, 20h. Grátis.

+ O DJ Rennan da Penha, um dos precursores do funk 150  bpm, tem tudo para fazer uma apresentação histórica em frente ao Teatro Municipal. Rennan  ganhou notoriedade com a  produção de alguns dos hits  do Baile da Gaiola, na zona norte do Rio de Janeiro, e deve  movimentar o mercado em  2020 – já gravou até participação em novela da Rede Globo. Praça das Artes. Av. São João, 281, Centro, 4571-0401. 6ª (17), 22h30. Grátis (retirar ingresso 1h antes).

Arnaldo Antunes

Foto: Gabriela Biló/ Estadão

+ Um dos destaques da programação é o show de Arnaldo Antunes – que, no ano passado, lançou ‘O Real Resiste’, música que cita temas como tortura, homofobia e terraplanismo. Praça das Artes. Av. São João, 281, Centro, 4571-0401. 6ª (17), 20h. Grátis.

+ Nos arredores do Teatro Municipal, blocos de carnaval já consagrados na folia paulistana dos últimos anos celebram a liberdade de expressão, no dia 31/1. Liderado pelo saxofonista Thiago França, o Bloco da Espetacular Charanga do França, cheio de instrumentos de sopro e percussão, toca às 23h. Na sequência, o Tarado Ni Você traz músicas de Caetano Veloso em ritmo de axé. E, por fim, às 2h, tem o MinhoQueens. Pça. Ramos de Azevedo, s/nº, República. 31/1, a partir das 23h. Grátis.

CINEMA 

Bruna Surfistinha

Foto: Denise Andrade/ Estadão

+ Sucesso de bilheteria em 2011, Bruna Surfistinha, sobre a trajetória de uma garota de programa, voltou a ser assunto depois que Jair Bolsonaro afirmou, em julho, não poder admitir que, com dinheiro público, sejam feitos filmes como esse. A declaração chamou atenção, novamente, para o trabalho consistente de Marcus Baldini na direção e uma das atuações mais importantes da carreira de Deborah Secco. No festival, a atriz e a hoje empresária Raquel Pacheco (foto) participam de um debate, seguido pela exibição do longa. Praça das Artes. Av. São João, 281, Centro, 4571-0401. Sáb. (18), 21h30. Grátis (retirar ingresso 1h antes).

+ O evento é uma boa oportunidade para (re)ver A Vida Invisível, dirigido por Karim Aïnouz, que conta a história de vida e de desencontros das irmãs Eurídice (vivida por Carol Duarte) e Guida (Júlia Stockler). O longa brasileiro foi vencedor da mostra Un Certain Regard, no Festival de Cannes, e chegou a concorrer, como representante do País, a uma vaga no Oscar. O filme tem participação de Fernanda Montenegro, que, em setembro, foi chamada de “mentirosa” e “sórdida” pelo ex-secretário especial da Cultura, Roberto Alvim. CCSP. Sala Lima Barreto. R. Vergueiro, 1.000, metrô Vergueiro, 3397-4002. Dom. (19), 15h. Grátis (retirar ingresso 1h antes).

DEBATES

Uma Aula Sobre 1984

Foto: Werther Santana


+ A historiadora Lilia Schwarcz (foto), autora do livro ‘Sobre o Autoritarismo Brasileiro’, conduz Uma Aula Sobre 1984, em que relembra os 70 anos de publicação do romance ‘1984’, de George Orwell – referência no debate sobre sociedades totalitárias. Biblioteca Mário de Andrade. R. da Consolação, 94, Consolação. 3775-0002. 3ª (21), 19h. Grátis (retirar ingresso 1 h antes).

+ A vida de Carlos Marighella (1911-1969) será debatida pelo jornalista Mário Magalhães, autor da biografia ‘Marighella – O Guerrilheiro que Incendiou o Mundo’, e por sua neta, Maria Marighella. Seu nome voltou aos holofotes por conta do filme dirigido por Wagner Moura, apresentado no Festival de Berlim 2019. A estreia brasileira, antes adiada por não cumprir a tempo trâmites exigidos pela Ancine, agora foi anunciada para o dia 14 de maio. Biblioteca Mário de Andrade. R. da Consolação, 94, República, 3775-0002. 29/1, 19h. Grátis (retirar ingresso 1h antes).

EXPOSIÇÕES

+ Exemplares de livros censurados ao longo de três séculos – entre eles, ‘Capitães de Areia’ (1937), de Jorge Amado – são expostos na mostra Banidos. Na 6ª (17), às 19h, tem debate com Ignácio de Loyola Brandão e Laura Mattos. Biblioteca Mário de Andrade. R. da Consolação, 94, 3775-0002. 8h/20h. Grátis. Até 31/1.

+ A mostra Censura em Cartaz vai exibir cartazes de filmes nacionais que a Ancine retirou de sua sede no Rio de Janeiro e também de seu site, como o do longa ‘A Vida Invisível’. CCSP. Espaço Flávio Império. R. Vergueiro, 1.000, metrô Vergueiro, 3397-4002. 10h/20h  (sáb., dom. e fer., 10h/18h; fecha 2ª). Grátis. Até 31/1. 

TEATRO

Roda Viva

Foto: Valéria Gonçalves/ Estadão

+ Uma das atrações da programação é Roda Viva, em nova versão do Teatro Oficina (foto). A montagem original também foi dirigida por Zé Celso – e sofreu censura durante a ditadura militar. Primeira incursão de Chico Buarque como autor de teatro, a peça enfrentou repressão após sua estreia, em 1967, e tinha no elenco a atriz Marieta Severo (depois, substituída por Marília Pêra). O espetáculo resgatou a linguagem do teatro brasileiro, incorporando o coro grego, na trama do personagem Benedito, músico de sucesso fabricado pela mídia. Teatro Municipal. Pça. Ramos De Azevedo, s/nº. República, 3053-2100. 31/1, 19h. Grátis (retirar ingresso 2h antes).

Res Publica 2023

Foto: Priscila Prade

+ Res Publica 2023 traz a história de um grupo de amigos que divide uma república e que, diante de um cenário cada vez mais intolerante com o diferente, constrói uma trincheira. Centro Cultural da Juventude. Av. Dep. Emílio Carlos, 3.641, V. dos Andrades, 3343-8999.  4ª (22) e 5ª (23), 20h. Grátis (retirar ingresso 1 h antes).

+ O grupo franco-brasileiro Dos à Deux apresenta Gritos, de André Curti e Artur Luanda Ribeiro. O espetáculo retrata histórias poéticas e personagens marginalizadas – entre elas, uma transexual. Centro Cultural Olido. Av. São João, 473, Centro, 2899-7370. 17, 18 e 19/1, 20h. Grátis (retirar ingresso 1h antes).

+ No espetáculo musical Divinas Divas, dirigido por Robson Catalunha, mulheres artistas trans – como Eloína dos Leopardos e Jane Di Castro – cantam e contam histórias sobre superação de preconceito. Teatro Municipal. Pça. Ramos De Azevedo, s/nº, República, 3053-2100. 29/1, 20h. Grátis (retirar ingresso 1h antes).

+ Especialista em literatura erótica no Brasil, Eliane Robert Moraes fala sobre autores censurados, algo recorrente desde os tempos do Marquês de Sade. E trechos de obras ganham leitura da atriz Helena Ignez. Biblioteca Mário de Andrade. R. da Consolação, 94, República, 3775-0002. 23/1, 19h. Grátis (retirar ingresso 1h antes).

Abrazo

Foto: Rafael Telles

+ Encenada pela companhia Clowns de Shakespeare, de Natal (RN), o espetáculo infantojuvenil Abrazo, inspirado no ‘Livro dos Abraços’, do escritor uruguaio Eduardo Galeano, passa-se em um país onde o abraço não é permitido. Nele, um grupo atravessa um quadrado delimitado no chão, enquanto conta histórias de encontros, afetos e opressão. É por meio dessas metáforas que eles abordam temas como a censura. Em setembro de 2019, a peça teve suas apresentações canceladas pela Caixa Cultural de Recife. Centro Cultural Olido. Av. São João, 473, Centro, 2899-7370. 6ª (17), sáb. (18) e dom. (19), 18h. Grátis (retirar ingresso 1 h antes).

+ A S.E.M Cia. de Teatro apresenta A Mulher Monstro, solo de José Neto Barbosa. O espetáculo ganhou repercussão após o ator ser agredido com pedradas em Jaboatão dos Guararapes, na região metropolitana de Recife. Em abril de 2019, também teve apresentações canceladas em Curitiba. Centro Cultural da Diversidade. R. Lopes Neto, 206, Itaim Bibi, 3079-3438. Sáb. (18), 21h; dom. (19), 19h. Grátis (retirar ingresso 1h antes).

+ O diretor José Fernando Peixoto de Azevedo encena Navalha na Carne Negra, nova versão da peça escrita por Plínio Marcos, em 1967, que retrata figuras marginais – e foi vetada pela ditadura. Em cena, a prostituta Neusa Sueli e seu cafetão, Vado. Biblioteca Mário de Andrade. R. da Consolação, 94, Consolação, 3775-0002. 24, 25, 26/1, 19h. Grátis (retirar ingresso 1h antes). 

Caranguejo Overdrive

Foto: Elisa Mendes

+ Escrita por Pedro Kosovski, a peça Caranguejo Overdrive, conta a trajetória de Cosme, ex-catador de caranguejos no mangue do Rio de Janeiro, durante a segunda metade do século 19, que é convocado para integrar as forças brasileiras na Guerra do Paraguai. No campo de batalha, ele acaba enlouquecendo. E, ao retornar ao Rio, encontra a cidade transformada. CCSP. Espaço Cênico Ademar Guerra. R. Vergueiro, 1.000, metrô Vergueiro, 3397-4002. 6ª (17) e sáb. (18), 21h; dom. (19), 20h. Grátis (retirar ingresso 1h antes).

+ A atriz trans Renata Carvalho, que foi impedida de fazer sessões da peça ‘O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu’, volta em Domínio Público. O trabalho resgata o debate sobre censura e perseguição de artistas. Centro Cultural da Juventude. Av. Dep. Emílio Carlos, 3.641, V. dos Andrades, 3343-8999. 6ª (17) e sáb. (18), 20h. Grátis (retirar ingresso 1h antes). 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: