Vamos brincar com os pets na quarentena?
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Vamos brincar com os pets na quarentena?

Redação Divirta-se

04 de maio de 2020 | 05h00

Ella e um de seus brinquedos favoritos. Foto Cris Berger/Guia Pet Friendly

Lembro da primeira coluna que escrevi sobre a quarentena: a gente não fazia ideia de que ia durar tanto tempo, né? E, hoje, nem sabe até quando vai. O que importa mesmo é seguirmos firmes e fortes em casa, mantermos o isolamento em respeito ao próximo e aos profissionais da linha de frente.

Sei que todos estão cansados. Inclusive, nossos pets. Portanto, o plano de ação é: vamos reservar alguns minutos por dia exclusivamente para eles. A cada três horas, paro tudo, sento ao lado da Ella, minha sharpei, e brincamos juntas. Esse momento de amor é importante e acalma (a mim e a ela).

OK, mas como gastar energia dos pets superativos? Até mesmo dos mais calminhos que estão sentindo esta tremenda mudança? Pedimos ajuda para alguns “jornalistinhas pet” do Guia Pet Friendly, que são “ligados no 220 volts”. Nossas dicas fazem parte do Guia da Quarentena (R$ 49,90  – 30% do valor será revertido para a ONG de proteção animal Aila).

Comer, comer… ops, não. Roer, roer!
O ato de roer é um ótimo exercício para o vira-latinha Sushi, que ganha orelha bovina e chifre de boi para roer de seus tutores. Rechear brinquedos com frutas ou legumes congelados também faz parte das táticas para mantê-lo devidamente ocupado e feliz.

Sem desafio não tem graça!
A Kakau é desafiada a desenrolar a toalha onde há petiscos no meio e o Dengo ganha uma garrafa pet cheia de furos com ração dentro. Eles precisam usar o faro para encontrar a recompensa. Os exercícios cognitivos são os que mais cansam os pets.

Caça ao tesouro? Temos!
A Luna, que é mais assustada e não curte brinquedos barulhentos, tem como diversão a caça ao tesouro. Sua tutora espalha petiscos pela casa e ela sai a farejar o tesouro perdido no melhor estilo Indiana Jones.

Os preferidos da Ella
A Ella, como uma boa sharpei, cansa rápido, não é chegada a brinquedos e prefere caminhas fofas a grandes desafios. Basta alguns minutinhos mordendo um brinquedo de corda ou o seu preferido, uma cenoura de nylon, para já querer tirar um cochilo. Fora isso, pulamos na cama juntas, único momento em que ela late. Fofa.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: