Sem desculpas durante o isolamento: comece a malhar em casa
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Sem desculpas durante o isolamento: comece a malhar em casa

Redação Divirta-se

27 de março de 2020 | 05h00

CONTEÚDO ABERTO PARA NÃO-ASSINANTES: Academias, apps e perfis de professores nas redes sociais ajudam a manter uma rotina fitness

Por Ana Lourenço e Talita Marchao – ESPECIAL PARA O ESTADO

Em tempos de isolamento para evitar o contágio pelo coronavírus, a rotina de ir de casa para o trabalho foi substituída pelo caminho entre a sala e a cozinha. A quarentena em vigor no Estado de São Paulo desde o dia 24 incluiu o fechamento de academias de ginástica e parques.

Poderia ser a desculpa perfeita para se jogar no sofá, deixar de lado os treinos e abraçar a preguiça sem culpa. Mas o mundo fitness se adaptou rapidamente: academias, professores e marcas esportivas oferecem alternativas para continuar se exercitando sem sair de casa. Afinal, a prática espanta a preguiça, estabelece uma rotina, gasta energia, reduz a ansiedade e pode até ajudar a perder uns quilos.

Luiz Henrique passou a usar apps para manter seus treinos das 9h da manhã

“O corpo humano é como uma máquina. Se fica muito tempo sem funcionar, vai começar a falhar. Com as pessoas é a mesma coisa: precisamos lubrificar nossas articulações para evitar dores, lesões, para bombear o sangue transportando oxigênio para todas as células do corpo, além de fortalecer a musculatura para suportar o estresse diário. E conseguimos isso pelos exercícios físicos”, explica o personal trainer Vinicius Dominiquini, que tem feito vídeos em seu Instagram (@vrdominiquini) com treinos caseiros.

Outro personal que começou a publicar vídeos em seu perfil é Leandro Marques (@personalleandromarques). Ele cita a importância dos exercícios para reforçar a imunidade, tão importante em tempos de coronavírus. “Quem treina tem uma condição cardiorrespiratória melhor. A produção de hormônios e enzimas também são mais eficientes. E tudo isso faz com que o sistema imunológico fique mais forte”, diz. Ele destaca ainda que o ideal é praticar pelo menos 150 minutos de exercícios por semana – três treinos de 50 minutos.

De acordo com os profissionais, é hora de se fortalecer e ajudar os outros. “Sei que em casa só queremos comer e beber tudo que vemos pela frente. Além da probabilidade de aumentar os nossos desânimos e tristezas. O exercício é um dos melhores remédios para combater tudo isso”, diz Vinícius.

Aliás, as transmissões ao vivo no Instagram e no YouTube feitas por professores de educação física e personal trainers têm sido cada vez mais comuns. Cada um adapta a videoaula em sua própria rotina durante o isolamento. A profissional de educação física Denise Rocha, de 33 anos, aproveita os cochilos da filha de 1 ano e 2 meses para fazer as transmissões ao vivo – as lives – no Instagram @eudeniserocha. São aulas de danças como zumba, Fit Dance (que mistura diferentes estilos musicais), abdominal e alongamento.

“Faço de livre e espontânea vontade, para continuar próxima aos meus alunos e oferecer as aulas que eles tanto amam”, conta a professora. Segundo ela, o retorno tem sido positivo. “Tenho alunos novos, que assim que a quarentena passar já falam em fazer aulas presenciais”, diz Denise. Como o marido dela segue indo ao trabalho normalmente, ela se divide entre as aulas e os cuidados com a bebê. “Esse tempo em casa fez ela ficar ainda mais grudada em mim. O que faço é programar a aula em horário estratégico, na hora do soninho. Mas confesso que não sei até quando vai dar certo.”

Novo ânimo. Para alguns, as lives são ótimas no sentido que reservam um horário do dia para o treino. A artista e estudante Marianna Nascimento confessa que adora marcar uma hora com os amigos para treinarem juntos. “A academia que eu treino lançou exercícios online para gente e também tenho acompanhado as lives. Ao mesmo tempo uso o FaceTime com as minhas amigas para poder fazermos os exercícios juntas. Acho que isso facilita o treinamento e até melhorou o meu rendimento”, diz.

Existe, porém um certo medo de sair do real para o online. Isadora Zendron, professora e idealizadora da Boate Class (@boateclassoficial), demorou para migrar para as aulas online por medo de perder a energia da sala de aula. “Descobri que as lives no Instagram e no YouTube podem ser legais também. Por mais que a gente não veja as pessoas ali, a gente vê os números e isso dá muita empolgação.”

Denise aproveita os cochilos da filha de 1 ano e 2 meses para dar aulas online

Já para quem prefere ficar offline durante as horas de treinamento, há diversos aplicativos gratuitos para treinar. “Para mim é sagrado fazer academia todos os dias às 9h, porque sei que se não seguir esse calendário que eu impus tudo vai desandar”, diz o diretor de vídeo Luiz Henrique Fontes. Outra vantagem é que os treinos acabam sendo mais rápidos e personalizados. “Além de fácil, otimiza o tempo, pois tudo já vem pronto e eu não dependo de ninguém.”

 

ACADEMIAS VÃO PARA A SALA DE ESTAR

Até a turma do crossfit, acostumada a frequentar a academia quase como uma religião, adaptou os treinos em casa. Em São Paulo, a inVicio, em Santo Amaro, preparou treinos no Instagram (@inviciocrossfit) para os alunos fazerem os exercícios em casa. A empresa chegou a emprestar equipamentos para seus frequentadores e está fazendo chats em aplicativos com vídeo, como o Zoom, para manter um contato entre a comunidade da academia e romper o isolamento social com a ajuda da tecnologia.

“São pessoas que estão trabalhando o dia todo, e não podem se relacionar, se abraçar ou trocar uma ideia. Então quando a gente entra nas casas das pessoas com a live, leva a energia do treinador”, conta Marcelo Lima, um dos sócios da inVicio. “A ideia é mostrar que todo mundo pode treinar crossfit e em qualquer lugar.”

Marcelo ensina crossfit em vídeos

Em home office com um bebê de 7 meses em casa, Renata Sousa e o marido, Gregory Sousa, têm feito os treinos de crossfit na varanda, com as aulas que Marcelo e sua equipe postam online. “Pegamos emprestados os equipamentos da academia, e seguimos os treinos durante a noite, que é quando o bebê está mais tranquilo”, diz Renata. “Colocamos ele sobre um edredom com os brinquedos na varanda e treinamos. Está dando certo.”

Grandes redes, como Smart Fit e Bio Ritmo (que pertencem ao mesmo grupo) e a Bodytech, trancaram as matrículas dos seus alunos durante o período em que suas unidades permanecem fechadas. Os professores das três receberam férias remuneradas, e elas passaram a produzir conteúdo online em suas páginas no YouTube e no Instagram. A Bodytech liberou gratuitamente o acesso premium de seu app.

Luiz Carlos Carnevali Junior, diretor técnico do grupo Bio Ritmo-Smart Fit, ressalta que a prática de atividade física pode ajudar nos momentos de ansiedade e depressão durante o isolamento. “O fato de realizar uma atividade física ajuda não só do ponto de vista psicofisiológico, ou seja, os hormônios neurotransmissores relacionados com esse processo, mas também com a socialização, ainda que seja por meio da tecnologia”, diz.

Tudo à mão. Eduardo Netto, diretor técnico da Bodytech, dá dicas para qualquer pessoa praticar atividades em casa: “É importante ter uma certa familiaridade com os exercícios e atenção com a postura. Ao menor sinal de desconforto, interrompa o exercício”. Ele destaca que a mobilidade é importante mesmo em tarefas simples do dia a dia.

“Não fique sentado o tempo todo. Se estiver assistindo à TV, levante-se durante os comerciais e dê uma volta em casa, ou realize uma tarefa ativa, como estender roupas, lavar a louça, retirar o lixo. E que tal fazer aquela faxina sempre deixada para depois?”

Bodytech oferece opções para alunos treinarem em casa durante o isolamento

Mesmo que você queira fazer musculação, dá para improvisar com o que tem em casa. Aproveite o saco de 1 kg de feijão ou de açúcar, o saco de 5 kg de arroz, os pacotes de 500 g de café. Garrafas de 1,5 l substituem o peso dos halteres da academia; tem até quem use os galões de água de 5 l e 20 l para levantar peso.

“Parece que não, mas dentro de casa temos vários objetos que podem ser usados para fazer atividades físicas, como mantimentos. Tento ensinar exercícios básicos e fáceis, em que não é necessário que um profissional esteja 100% ao seu lado. Assim, ninguém tem desculpa para não fazer”, explica o personal Marcos Rocha, que colocou quatro tipos de exercícios no seu Instagram (@personalmarcosrocha).

Cadeiras, bancos e até cabos de vassoura auxiliam na rotina de exercícios. Marcelo, da inVicio, diz que dá até para brincar com os animais de estimação enquanto pratica o exercício, aproveitando o peso do pet – que pode adorar a novidade.

Tudo o que sabemos sobre:

ginásticaacademia

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: