Se alienar é bom
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Se alienar é bom

Acompanhe as dicas de Murilo Busolin na coluna de cultura pop e plataformas de streaming 'No Sofá'. Aos Domingos.

Redação Divirta-se

20 de junho de 2020 | 18h08

Por Murilo Busolin. @murilobusolin nas redes sociais.

Na última semana, maratonei o novo original da Netflix Reality Z. A série (inspirada na britânica Dead Set) retrata um ataque de zumbis no Rio de Janeiro que se inicia dentro de um reality show. Se você ainda não ficou curioso pra assistir esse “guilty pleasure”, trago o motivo: a apresentadora e ex-BBB Sabrina Sato é uma das estrelas do elenco.

Assim que terminei, uma confirmação surgiu em meus pensamentos: “Como é gostoso assistir a coisas descompromissadas, abraçadas no trash, ruins. É muito bom se alienar um pouquinho”. Ainda mais nesse momento, certo? Assim, escalei as produções mais bizarras, com as notas e aceitações mais baixas por parte da crítica e público, para que possamos nos distrair e também para garantir assuntos mais leves nos grupos de mensagens.

Sabrina Sato vira um zumbi logo no primeiro episódio de ‘Reality Z’. Foto: Divulgação/Netflix

Campeã de indicações nas redes sociais, Sunset – Milha de Ouro (Netflix) é uma trama que mostra a rotina de sete corretoras de imóveis de elite do Oppenheim Group. As agentes têm a missão de vender a vida mais luxuosa possível para riquinhos de Los Angeles.

‘Sunset’ foi o reality mais indicado em minhas redes sociais. Foto: Netflix/Divulgação

Para os fãs do reality De Férias Com o Ex (a sexta temporada está no ar na MTV e Prime Video), que não se contentam com um único grupo de corpos sarados e nada diversos, a primeira temporada de Soltos em Floripa (Prime Video) cumpre o mesmo requisito. A azaração tem um diferencial: os comentários bem-humorados de artistas como MC Carol, Pabllo Vittar e Felipe Titto.

Problemático do começo ao fim, o filme 365 Dias (Netflix) é um dos assuntos mais comentados nas últimas semanas. Uma jovem polonesa é sequestrada por um mafioso dominador, que dá 365 dias para que ela se apaixone por ele. Se você for tomado por um sentimento de ódio em vez de se distrair por um filme catastrófico com cenas muy calientes, perdão.

‘365’ é classificado como um filme erótico, como vocês podem perceber nessa imagem. Foto: Netflix/Divulgação

Saio do nível mais baixo da coluna para indicar o reality Instant Hotel (Netflix), uma competição entre proprietários que se hospedam no imóvel dos concorrentes e dão nota para as experiências. Um duelo de Airbnb’s para lá de criativo. Continuando com uma descontração mais leve, Batalha de Flores (Netflix) reúne dez floristas, designers de jardins e escultores para se enfrentar em uma competição…belíssima. São apenas oito episódios, mas assim como em Vidrados, você vai terminar implorando por mais algumas temporadas.

Com estilo de produção à la novelão mexicano, Toy Boy (Netflix) pode se tornar seu novo vício da quarentena. A produção espanhola conta a história de um stripper bonitão que ganha liberdade condicional e tenta provar que foi vítima de uma armação. Sentiu o cheiro de horário nobre do SBT nos anos 2000?

‘Batalha de Flores’ é para os ‘pais de plantas’. Foto: Netflix/Divulgação

CONECTE-SE

Para pensar
Indo em direção totalmente oposta ao tema principal desta semana, o canal no YouTube da advogada criminalista e comentarista política da CNN Brasil, Gabriela Prioli bit.ly/gabrielatube é um dos grandes destaques desse primeiro semestre.

Gabriela tem carisma e didática de sobra para “mastigar” e facilitar o entendimento dos difíceis temas políticos para seus quase 500 mil inscritos. Fique atento também ao perfil no Instagram (@gabrielaprioli), e acompanhe as lives semanais e IGTV’s – já houve parceria até com Anitta.

Gabriela Prioli explica política para Anitta durante live. Foto: Reprodução/Youtube

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: