São Paulo ganha dois novos espaços culturais esta semana; saiba tudo sobre eles
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

São Paulo ganha dois novos espaços culturais esta semana; saiba tudo sobre eles

Redação Divirta-se

04 Maio 2017 | 18h58

Nos próximos dias, a programação paulistana vai ganhar reforço com a abertura de dois novos espaços culturais. De um lado, em Pinheiros, a Casa Natura Musical abre as portas nesta 5ª (11) com programação dedicada à música brasileira. Ali, a ideia é que diferentes ritmos e estilos se encontrem.
Por outro lado, na Avenida Paulista, a Japan House inaugura, no sábado (6), um complexo de três andares que inclui espaço para exposições e biblioteca. Ela é a primeira sede de um projeto internacional do governo japonês para a difusão da cultura nipônica.

O Divirta-se visitou os dois locais, entrevistou seus curadores e apresenta, a seguir, curiosidades sobre eles. Ao final, você confere as atrações de cada um. Celso Filho e Renato Vieira

 

ONDE: Casa Natura Musical. R. Artur de Azevedo, 2.134, Pinheiros, 4003-6860.
QUANDO:
Inauguração: 5ª (11).
QUANTO:
Venda de ingressos e site oficial: www.casanaturamusical.com.br

ONDE: Japan House. Av. Paulista, 52, metrô Brigadeiro, 3090-8900.
QUANDO:
Inauguração: sáb. (6). 10h/22h (dom. e fer., 10h/18h; fecha 2ª).
QUANTO:
Grátis. Inf.: www.japanhouse.jp/saopaulo

 

CASA NATURA MUSICAL

Saiba como será:

+ Com 1.360 m2 de área construída, a casa tem projeto arquitetônico da Triptyque Architecture e interior concebido pelo Estúdio Penha. Na entrada, além da bilheteria, há espaço para exposição de fotografias. O público poderá se acomodar na plateia 1h30 antes das apresentações e permanecer lá ouvindo música ambiente ou até ao vivo

+ A fachada, como mostra o projeto abaixo, é ampla e com espaço para café, aberto diariamente das 12h até as 21h (ou, em dias de show, até o final da apresentação). Em ocasiões especiais, como datas comemorativas da música brasileira, parte dela servirá de palco para shows voltados para a rua, sem cobrança de ingresso.

+ A casa terá duas configurações de plateia (na segunda foto acima, em projeto; e, ao lado, em obras). Os shows com mesas serão para 500 pessoas; os de pista, para 1.000. No palco, a estrutura cenotécnica é automatizada. Atrás dele, um painel de LED que dá para a rua mostra, além da programação do espaço, videoclipes e trabalhos de artistas plásticos

+ A nova casa tem um agradável terraço, de onde é possível aproveitar a vista para Pinheiros, que também funciona como área para fumantes. O local, com sofás e plantas, permanecerá aberto durante os shows. No telhado anexo, tem até uma horta. E, no elevador panorâmico utilizado para se chegar à plateia, mais plantas – com um jardim vertical.

+ Até mesmo a comida servida na nova casa de shows mantém a ideia de valorizar o que é do Brasil. O cardápio, sob coordenação da chef Morena Leite, tem pratos com ingredientes típicos. Entre eles, estão o rolinho de vatapá acompanhado de vinagrete apimentado e, para a sobremesa, o bolo gelado de coco com abacaxi.

+ O transporte público é uma boa opção para chegar ao local. As estações de metrô Faria Lima
e Fradique Coutinho, da Linha-4 Amarela, são próximas à casa. Um bicicletário está disponível para quem quiser ir pedalando. E quem preferir ir com seu próprio carro também não precisa se preocupar – há vários estacionamentos na área.

 

Conheça um dos sócios:

Também proprietário do Canto da Ema, Paulinho Rosa é sócio da Casa Natura Musical, ao lado de Edgard Radesca e da cantora Vanessa da Mata.

Qual a proposta da casa? Nós três gostamos muito de música brasileira e queríamos uma casa para promovê-la. Há poucos espaços médios em São Paulo. Os que existem são muito pequenos ou muito grandes – e, nessa configuração, dá para comportar quase todos os artistas. Quando tivermos alguém consagrado, podemos abrir uma pequena temporada.

A diversidade de ritmos terá espaço? Sim. A gente pretende dar insumos para se ver o que está acontecendo hoje na música do Brasil além do que as rádios tocam. Queremos grandes nomes, mas também o pessoal do carimbó, do rock e da valsa rancheira do sul presente ali. Tudo cabe na casa.

O que você destacaria como diferencial? É um espaço de convivência, de diálogo com a cidade – com um terraço e shows voltados para a rua. Temos também uma gastronomia bacana e estamos em um lugar de muito fácil acesso.

 

Confira a programação:

Foto: Marcos Arcoverde/Estadão

+ Lenine (foto) é quem abre a programação da casa, com show concebido especialmente para a ocasião. No repertório, sucessos como ‘Jack Soul Brasileiro’ e músicas de seu recente disco ‘Carbono’ (2015). 5ª (11), 21h30. R$ 100/R$ 220.

+ Pela primeira vez na cidade, o show ‘Baby do Brasil Experience’ mostra a cantora de ‘Menino do Rio’ ousando com versões dos clássicos ‘Summertime’ e ‘Desafinado’ – isso sem contar as canções marcantes de sua carreira. 12/5, 22h. R$ 100/R$ 250.

+ No show ‘+ Misturado’, baseado no disco de mesmo nome, a cantora Mart’nália canta seus hits e celebra grandes nomes como Caetano Veloso, Gilberto Gil e Djavan. 13/5, 22h. R$ 100/R$ 220.

+ Uma das sócias da casa, Vanessa da Mata grava DVD ali. É o segundo registro audiovisual da cantora e compositora, que, em 2009, lançou seu ‘Multishow ao Vivo’. 26 e 27/5, 22h. Preço ainda não divulgado.

+ Uma das grandes revelações da música contemporânea, o grupo O Terno faz show com músicas de seus três álbuns e participação especial de Tulipa Ruiz. 18/5, 21h30. Preço ainda não divulgado.

 

JAPAN HOUSE

Saiba como será:

+ O complexo na Paulista foi pensado para ser versátil. Algumas paredes, por exemplo, foram feitas com o papel artesanal washi e são móveis. Assim, é possível aumentar, diminuir ou mesmo criar diferentes espaços. Outra curiosidade é que a sede não será o único local com atrações da Japan House. Haverá programação em outros espaços da cidade.

+ A primeira exposição do local é ‘Bambu – Histórias de um Japão’, que fica em cartaz até 9/7. São cerca de 50 peças que exploram os diferentes usos do bambu – desde utensílios domésticos até obras de artistas como Akio Hizume e Chikuunsai IV Tanabe. Também há uma videoinstalação em parceria com o Estúdio Ghibli.

+ Um dos principais nomes da gastronomia japonesa em São Paulo, Jun Sakamoto é quem cuida do novo restaurante do complexo. Lá, ele abre, nesta 3ª (9), a Junji Sakamoto, casa com preços mais acessíveis do chef, que tem filial no Shopping Iguatemi. A Japan House ainda conta com o Imi Café, com quitutes nipônicos.

+ Logo quando se entra, uma longa estante de livros chama a atenção. É a biblioteca, que possui 1.900 exemplares, em diferentes línguas, sobre assuntos como arte, gastronomia e arquitetura. A seleção foi feita pelo japonês Yoshitaka Haba. Sinta-se à vontade para pegar um e sentar nos sofás do espaço.

+ O centro cultural conta ainda com duas lojas. Uma delas é de Sandra Fukada, que apresenta a tradição do furoshiki, uma técnica de embrulho com tecidos coloridos. No térreo, tem a Madoh, com produtos de design, alimentos e bebidas importadas. Com o tempo, outras marcas também terão estandes no local.

 

Conheça o curador:

Com experiência em projetos como o Museu da Língua Portuguesa, o curador Marcello Dantas é o diretor de programação da Japan House.

Como foi o processo de trazer a Japan House para o Brasil? Começamos com o governo japonês identificando cidades no mundo em que ele gostaria de apresentar uma agenda para o mundo ocidental. E isso teria que funcionar de uma forma diferente: uma edificação real, gerida por pessoas daqui, com um ponto de vista do Brasil olhando para o Japão.

E como foi sua pesquisa? Foi um processo de encontro entre aquilo que eu enxergava como a emergência do que estava sendo feito lá e o que estava carente no Brasil. Foi também entender que a missão deste espaço é multidisciplinar.

E como nossa comunidade japonesa influenciou? A visão do Brasil sobre o Japão, baseada na comunidade japonesa, está desatualizada. A gente teve encontros com a comunidade, temos membros do conselho que são nipo-brasileiros. Não excluímos isso, mas nossa meta é atingir outros públicos.

 

Confira a programação:

Série Direction - Kohei Nawa_Crédito Nobutada OMOTE SANDWICH

Obra de Kohei Nawa. Foto: Nobutada Omote Sandwich

+ Neste ano, a programação do complexo deve ter oito exposições. Em setembro, é inaugurada uma mostra com as obras de Kohei Nawa, artista formado pela Royal College of Art, da Inglaterra.

+ Antes de Nawa, o centro cultural também apresenta seu arquiteto. Kengo Kuma – que desenhou o
Suntory Museum of Art, de Tóquio – terá uma exposição sobre seus projetos, a partir de julho.

+ A programação também é levada a outros espaços. No domingo (7), 18h, o Auditório Ibirapuera (Av. Pedro Álvares Cabral, s/nº, portão 3) tem concerto gratuito com Jun Miyake e Ryuichi Sakamoto.

+ Em junho, o CineSesc (R. Augusta, 2.075, Cerqueira César) também hospeda agenda da casa. Entre 2/6 e 17/6, haverá sessões do filme ‘O Conto da Princesa Kaguya’, animação de Isao Takahata, do Estúdio Ghibli.

+ Na programação paralela à mostra ‘Bambu – Histórias de um Japão’, Joe Earle estará na casa para palestra gratuita sobre o uso artístico do bambu, na 3ª (9), às 17h. Inscrições pelo e-mail: inscricoes@jhsp.com.br

Mais conteúdo sobre:

japan housecasa natura musical