‘Quase Memória’ narra as emoções de um homem inundado pelas recordações do pai
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘Quase Memória’ narra as emoções de um homem inundado pelas recordações do pai

André Carmona

19 Abril 2018 | 15h53

Uma única sala é palco para a trama. Foto: Pandora Filmes

Imagine chegar em casa e dar de cara com um sujeito estranho na sala. E se depois de observá-lo por alguns minutos, você percebesse que o desconhecido, bem mais velho, na verdade é você mesmo, num tempo futuro.

Inspirado pelo livro homônimo de Carlos Heitor Cony, vencedor do prêmio Jabuti como melhor romance em 1996, Ruy Guerra situa o espectador nesse encontro fantástico em Quase Memória.

Carlos (Charles Fricks) é um jornalista que experimenta momentos de apreensão durante o regime militar da década de 1960. Sua vida pessoal não é mais fácil. Divorciado pela quarta vez, ele se encontra num momento de extrema fragilidade e solidão.

Quando seu ‘eu futuro’ (interpretado por Tony Ramos) aparece em cena, também abandonado à própria sorte e, pior, acometido por uma doença que lhe rouba a memória por completo, os dois homens percorrerão a pantanosa estrada das lembranças – ancoradas, basicamente, pelas recordações afetivas que ‘ambos’ têm do pai (João Miguel). E isso acontece depois que um deles nota, logo ali no chão, um insólito pacote, cujo remetente dá indícios de ser o próprio patriarca, já falecido.

Com uma atmosfera teatral latente – seja pelo cenário único (a própria sala de Carlos), pelas interpretações exageradas ou pelas distorções de tempo e espaço, representadas pela variação fotográfica –, o longa reflete sobre o medo de envelhecer, o limbo do isolamento, a solidão e as trajetórias humanas, numa trama cheia de contrapontos e emoções.

Confira salas e horários de exibição no Guia de Cinema do Divirta-se