Premiado, ‘Para Minha Amada Morta’ está entre estreias de cinema da semana
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Premiado, ‘Para Minha Amada Morta’ está entre estreias de cinema da semana

Redação Divirta-se

31 de março de 2016 | 15h06

Foto: Divulgação.

Foto: Divulgação.

 

Vencedor de sete Candangos no Festival de Brasília do ano passado, incluindo melhor diretor (Aly Muritiba), ator e atriz coadjuvantes (Lourinelson Vladmir e Giuly Biancato), Para Minha
Amada Morta estreia na cidade depois de passar, com êxito, por diversos foros internacionais (os festivais de San Sebastian, Amiens e Montreal).

O filme conta a história de um homem que, em pleno processo de luto pela mulher, descobre que ela o traía. Resolve vingar-se e o drama cotidiano, familiar toma outro rumo, virando cinema de gênero. O curioso é que Muritiba escolheu um ator – Fernando Alves Pinto – que o próprio diretor reconhece ser inadequado para narrativas de ação violenta.

A consequência é que ‘Minha Amada Morta’ adentra pelo thriller – Fernando, também o nome do personagem, vai se vingar de Salvador, o amante da ex-mulher?

Diante do desenlace iminente, o filme está sempre recuando. Ao fugir dos códigos do suspense hollywoodiano, Muritiba não entrega o que o espectador espera e subverte o que seria uma narrativa tradicional. É a força e, ao mesmo tempo, a fraqueza do filme que, só para lembrar, ganhou um prêmio de desenvolvimento de roteiro no Sundance Festival. Luiz Carlos Merten

 

Após dirigir ‘Entre Nós’ (2013) com seu pai, Paulo, Pedro Morelli dirige, sozinho, a comédia Zoom. As histórias de três personagens que vivem dramas relacionados à aparência se unem num longa com cenas de animação e atores reais. É o caso de Emma (Alison Pill), uma moça de seios pequenos que trabalha numa fábrica de bonecas sexuais.

 

Em Casamento Grego 2, a grande família do primeiro filme arranja motivo para festa. Enquanto Toula (Nia Vardalos) e Ian (John Corbett), já casados, lidam com uma filha adolescente, Paris (Elena Kampouris), um segredo antigo da família vem à tona. É esse segredo que justifica um novo casamento grego, que envolve todos os Portokalos.

 

OUTRAS ESTREIAS

O Gigantesco Ímã
(Brasil/2014, 132 min.) – Documentário. Dir. Petrônio Lorena e Tiago Scorza. Com Na tela, a vida e a obra de Evangelista Ignácio de Oliveira, conhecido popularmente como ‘Vanja’. O cientista e inventor pernambucano recicla máquinas e eletrônicos sucateados, construindo de câmeras a instrumentos de ótica e astronomia. 

Histórias de Alice
(Brasil-Portugal/2016, 94 min.) – Drama. Dir. Oswaldo Caldeira. Com Leonardo Medeiros, Ana Moreira, Maria Padilha. Com a morte da mãe, seu filho Lucas, um cineasta, se vê desorientado pelo trauma. Ele decide, então, viajar a Portugal, onde tenta entender melhor as origens da mãe.

A Juventude (leia resenha aqui)
(La Giovinezza, Itália-França-Reino Unido-Suíça/20, 124 min.) – Drama. Dir. Paolo Sorrentino. Com Michael Caine, Harvey Ketel, Rachel Weisz. Um maestro passa os dias num spa nos alpes suíço, pensando na vida. Acompanhado da filha, a estadia relaxante apresenta mais conflitos do que o esperado.

Norm e Os Invencíceis
(Norm of the North, EUA-Índia/2016, 90 min.) – Animação. Dir. Trevor Wall. Norm, um urso polar, percebe que seu hábitat está ameaçado pela possível construção de condomínios no Ártico. Pensando em reverter o plano, ele viaja para Nova York, onde tenta derrotar a corporação que quer destruir seu lar.

Quanto Tempo o Tempo Tem
(Brasil/2014, 76 min.) – Documentário. Dir. Adriana L. Dutra. O longa tem como tema central o tempo. Ao propor a seus entrevistados uma análise sobre o assunto, o filme aborda a relação da consciência com a dimensão, além da escassez de tempo na vida contemporânea, entre outras questões.

Visões do Passado
(Backtrack, Austrália/2015, 90 min.) – Suspense. Dir. Michael Petroni. Com Adrien Brody, Sam Neill, Robin McLeavy. Para se afastar de um trauma, a morte da filha de 12 anos num acidente, o psicólogo Peter e sua mulher se mudam para Melbourne. Ao começar o trabalho, Peter descobre uma ligação entre alguns de seus pacientes que o levará de volta a sua cidade natal e desvendar um segredo.

Voando Alto
(Eddi The Eagle, Reino Unido-EUA-Alemanha/2016, 105 min.) – Comédia. Dir. Dexter Fletcher. Com Taron Egerton, Hugh Jackman, Christopher Walken. Eddie, um rapaz com problemas de visão e problemas no joelho, tem o sonho de participar das Olimpíadas. Para tentar uma vaga na competição de 1988, ele tem a ajuda do ex-atleta Bronson Peary.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.