O novo varal
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O novo varal

Redação Divirta-se

27 de agosto de 2020 | 15h31

RÊ PROVA

Toda semana, Renata Mesquita vai reprovar absurdos vistos por aí nessa nova rotina imposta pela pandemia

Vou dar uma folga de apontar dedos por aí. A reclamação desta semana é para mim mesma, mas tenho certeza de que muitos leitores vão se identificar. Lavar as máscaras. Eu mesma já me vi pulando essa importante recomendação algumas vezes… assumo, Rê Reprovada.

Já temos as pilhas de pratos, panelas e copos se acumulando na pia da cozinha (alguém, por favor, me explica esse fenômeno?), as roupas em cima da máquina, os panos de chão sujos da eterna faxina….

Agora, temos as máscaras. Toda santa vez que saio de casa e volto, pelo menos uma máscara, se não mais, se acumula no tanque. O “novo varal” tem máscaras penduradas entre meias e pijamas (para quem tem usado qualquer outra roupa nesta quarentena, meus sinceros cumprimentos).

O novo varal. Foto: Paula Rojas

Em casa, dada essa necessidade, uma nova modalidade foi colocada em prática, que no primeiro momento causou certa estranheza, mas foi seguida por uma série de boas gargalhadas e logo aderida pelas três mulheres que aqui habitam. (Homens, não se sintam excluídos desta coluna não, pelo contrário – #ficaadica). Nós, mulheres, já temos o costume de lavar as calcinhas todos os dias, pendurá-las no chuveiro e seguir com a vida. Agora, meu varal de calcinha do banheiro divide espaço com máscaras.

É um verdadeiro desfile de tecidos e estampas: renda, algodão, coração, florzinhas, bolinhas, até linho…. nas calcinhas e nas máscaras. Ontem foi engraçado, hoje foi ok, amanhã já vou estar reclamando novamente de ter de lavar mais uma leva das malditas máscaras. Mas, como tudo na vida de adulto (e em quarentena), a gente coloca no cotidiano e segue em frente.

Tudo o que sabemos sobre:

CoronavírusQuarentena

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: