As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Não é porque pode que você deve fazer

Redação Divirta-se

12 de fevereiro de 2021 | 05h05

RÊ PROVA

Toda semana, Renata Mesquita vai reprovar absurdos vistos por aí nessa nova rotina imposta pela pandemia    

Para aqueles que enxergam o copo sempre cheio, é difícil de aceitar. Já para os pessimistas, ou simplesmente não otimistas, é mais um “não queria acreditar, mas era óbvio”. Me refiro aos fura-fila da vacina. Não venho apontar o dedo para aqueles que mentiram para se vacinar antes da sua vez. Esses só cadeia mesmo. Acontece que descobri recentemente que algumas pessoas estão se aproveitando das brechas para se vacinar antes da hora, ou seja, ao meu ver, furar fila.

Por exemplo, na categoria profissionais de saúde entram também psicólogos, fisioterapeutas, etc… Legal, faz sentido, mas se você atende em um hospital, na tal “linha de frente”, ou se é autônomo e está, de fato, se arriscando. Mas, se você nem ao menos está saindo de casa para atender em um consultório, meu bem, você não faz parte desse grupo prioritário. “Apresentei meus documentos e eles me vacinaram, e uma pessoa a mais vacinada é sempre melhor.” Hum, será? Na verdade não.

Um estudo publicado na semana passada mostra que, no ritmo em que a vacinação contra a covid-19 é conduzida no Brasil, o País levaria mais de quatro anos para ter toda a população imunizada. E a escassez de vacinas é apontada como a maior causa para a lentidão. Ou seja, faz, sim, muita diferença. Entendo que é difícil resistir à tentação dessa picada no braço. Tipo mesa de doces antes do parabéns: um brigadeiro a menos não vai fazer diferença. Mas faz sim.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.