Longa italiano ‘O Fantasma da Sicília’ mistura fatos reais com ficção
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Longa italiano ‘O Fantasma da Sicília’ mistura fatos reais com ficção

André Carmona

28 de setembro de 2017 | 13h56

Foto: Pandora Filmes

Em 1993, o garoto italiano Giuseppe di Matteo, então com 11 anos, foi sequestrado pela máfia siciliana. O motivo? Retaliação. Seu pai, um ex-líder do crime preso meses antes, havia se tornado informante da polícia. Apesar dos esforços das autoridades para encontrá-lo, Giuseppe foi mantido em cativeiro durante 26 meses, submetido a torturas e teve um fim trágico. O caso abalou a Itália.

Mais de duas décadas depois, os diretores Fabio Grassadonia e Antonio Piazza se baseiam na famosa história para rodar seu segundo filme, O Fantasma da Sicília. A temática, aliás, é a mesma do primeiro longa da dupla, ‘Salvo: Uma História de Amor e Máfia’ (2013), mas com uma diferença marcante.

Desta vez, os cineastas mesclam fatos reais com um toque fantástico, que embarca o espectador num universo de fábula. Assim, ficção e realidade se confundem.

A história é contada a partir do ponto de vista de uma personagem fictícia, Luna (Julia Jedlikowska), que, mesmo com o passar do tempo, se recusa a aceitar o desaparecimento de Giuseppe (Gaetano Fernandez). Os dois se descobriam apaixonados quando o jovem foi sequestrado. E uma conexão metafísica entre o casal – que envolve a bucólica paisagem da região da Sicília – sustenta o enredo até o fim.

O longa se desenvolve em múltiplas camadas, alternando-se entre o drama e o suspense. Talvez seja este seu trunfo.

Confira a programação completa no Guia de Cinema do Divirta-se

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: