‘Glory’, de Kristina Grozeva e Petar Valchanov, foca embate social na Bulgária
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘Glory’, de Kristina Grozeva e Petar Valchanov, foca embate social na Bulgária

André Carmona

14 de setembro de 2017 | 17h08

Foto: Urban Distribution

Era para ser um dia como qualquer outro na vida de Tsanko Petrov (Stefan Denolyubov), protagonista do filme Glory. Mas não foi.

Sob o sol escaldante do verão búlgaro, o funcionário ferroviário fazia a manutenção diária dos trilhos do trem. Foi quando encontrou, em meio à paisagem solitária da estação, uma quantia exorbitante de dinheiro, no canteiro da via.

Humilde, Petrov logo procurou as autoridades para informar o ocorrido. O momento não era propício – o ministro dos Transportes do país enfrentava graves denúncias de corrupção. Mas, aos olhos da assessora de comunicação da pasta, Julia Staykova (Margita Gosheva), o fato parecia uma ótima oportunidade para tirar o foco da crise.

O plano até que funcionou, momentaneamente. Em questão de horas, o trabalhador virou herói nacional. Foi convocado para uma solenidade na sede do governo e, lá, ganhou um relógio de presente. E é aí que a história fica interessante.

No momento em que recebia a premiação, a assessora Julia pediu para que ele retirasse do pulso o relógio que usava – uma relíquia de família. O problema é que ela, descuidada, acaba perdendo o objeto. E Petrov iniciará uma verdadeira saga contra a burocracia governamental para reaver a herança.

Com sensibilidade, os diretores Kristina Grozeva e Petar Valchanov evocam um drama social intenso, que se assemelha bastante aos filmes do inglês Ken Loach, como ‘Eu, Daniel Blake’.

Confira a programação completa no Guia de Cinema do Divirta-se

Tudo o que sabemos sobre:

Divirta-seEstadãoGlorycinema búlgaro

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: