Exposição no Sesc Pinheiros aproxima artistas da América Latina e do Leste Europeu
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Exposição no Sesc Pinheiros aproxima artistas da América Latina e do Leste Europeu

Júlia Corrêa

09 Agosto 2018 | 14h49

Vinda do Museu de Arte Moderna de Varsóvia, na Polônia, a exposição O Outro Trans-atlântico: Arte Ótica e Cinética no Leste Europeu e na América Latina entre os Anos 50 e 70 apresenta um conjunto de cerca de cem obras, produzidas por mais de 30 artistas e coletivos no período do pós-guerra. Na seleção brasileira, aparecem nomes como Hélio Oiticica, Abraham Palatnik, Lothar Charoux e Lygia Clark. Entre outros latino-americanos, estão Julio Le Parc e Carlos Cruz-Diez. E, menos conhecidos por aqui, Vera Molnar, Grzegorz Kowalski e Vyacheslav Koleychuk são alguns dos nomes europeus.

Obra de Abrahm Palatnik. Foto: Galeria Nara Roesler

Como sugere o título, em comum entre eles está um interesse específico por correntes que se contrapunham a movimentos predominantes no período, tais como o expressionismo e o abstracionismo. No entanto, os elos entre essas diferentes regiões do globo não eram óbvios. Em 2013, o cocurador Dieter Roelstraete veio para uma conferência no Rio de Janeiro e se deparou com uma escultura de Abraham Palatnik. A obra tornou-se, então, objeto de longas discussões com seus colegas, que chegaram, por fim, à chave de compreensão que originou a mostra.

Segundo a curadora Marta Dziewaska, a obra de Palatnik, “veículo de certa utopia”, pareceu-lhes um exemplar da “era das máquinas”. Além disso, a trajetória do artista brasileiro – filho de judeus russos da diáspora – sintetiza bem os fluxos do próprio movimento cinético. “Foi assim que a geografia imaginária e o elo especulativo entre os dois continentes, nunca reunidos até então, apareceram para nós”, diz.

Obra de Vyacheslav Koleychuk. Foto: Anna Koleychuck

Na visão da curadora, se, com aqueles movimentos mais conhecidos – presentes, sobretudo, em centros como Paris, Londres e Nova York –, o público se acostumou a uma estrutura mais hierárquica, em que deve compreender passivamente os sentimentos e a gestualidade do artista, as artes ótica e cinética proporcionaram ao espectador experiências mais dinâmicas e interativas.

Essas particularidades, segundo a pesquisadora, eram uma forma de reação à situação política do Leste Europeu – oprimido, no período da Cortina de Ferro, pela dependência em relação à União Soviética – e da América Latina – dilacerada por golpes e ditaduras. “Com suas relações interativas, tais produções podem ser lidas como uma busca por alternativas, um sonho por políticas mais participativas”, explica Marta.

ONDE: Sesc Pinheiros. R. Paes Leme, 195, 3095-9400, metrô Faria Lima. QUANDO: Inauguração: 6ª (10). 10h30/21h30 (dom. e fer., 10h30/18h30; fecha 2ª). Até 28/10. QUANTO: Grátis.

CONFIRA OUTRAS INAUGURAÇÕES

MuBE
O local inaugura duas mostras. ‘Exit’, de Regina Silveira, reúne gravuras, vídeos e instalações sobre a noção de labirinto. E ‘O Papel É Inocente’, de Marco Maggi, traz trabalhos em papel, inclusive tridimensionais, que se relacionam com o espaço do museu. R. Alemanha, 221, Jd. Europa, 2594-2601. Inauguração: sáb. (11). 10h/ 18h (fecha 2ª). Grátis. Até 4/11.

Adriana Maciel
Em ‘Locus’, a artista exibe uma síntese de sua produção nos últimos dez anos. O conjunto reúne 25 obras, entre pinturas, objetos e instalações. Funarte. Galeria Flávio de Carvalho. Al. Nothmann, 1.058, metrô Santa Cecília, 3662-5177. Inauguração: dom. (12). 10h/18h (sáb. e dom., 10h/21h). Grátis. Até 24/9.

Centro Cultural do Liceu de Artes e Ofícios
Quatro anos após ser destruído por um incêndio, o espaço será reaberto com duas mostras. ‘História e Memória’ destaca, com imagens e arquivos, os 145 anos da instituição. ‘Design Brasil Século XXI’ reúne mobiliário e objetos de nomes como Marcelo Rosenbaum e Irmãos Campana. R. Cantareira, 1.351, metrô Tiradentes, 2155-3300. Inauguração: sáb. (11). 12h/17h (fecha dom. e 2ª). Grátis. Até 1º/12.

Edu Cardoso
Conhecido por pinturas que o próprio artista afirma serem ligadas a um ‘realismo fantástico’, ele apresenta, na mostra ‘Um Ponto de Vista’, retratos de Avaré, cidade do interior de São Paulo, onde vive. Luis Maluf Art Gallery. R. Peixoto Gomide, 1.887, Jd. Paulista, 2367-3437. Inauguração: 6ª (10). 11h/20h (sáb., 11h/18h; fecha dom. e 2ª). Grátis. Até 8/9.

Fortes D’Aloia & Gabriel
O Galpão da galeria recebe duas mostras. Em ‘Um Cão com uma Cauda Notável’, o duo português João Maria Gusmão & Pedro Paiva, cujos trabalhos fazem referências à literatura e à filosofia, apresenta esculturas em bronze e uma instalação. Em ‘Espiritual-Vivente-Respira’, o artista Rodrigo Cass exibe vídeo e uma série de pinturas que revelam seu interesse pelo legado do neoconcretismo. R. James Holland, 71, Barra Funda, 3392-3942. Inauguração: sáb. (11), 14h/17h. 10h/19h (sáb., 10h/18h; fecha dom. e 2ª). Grátis. Até 27/10.

Lucas Simões
Em ‘Ressaca’, o artista apresenta dois conjuntos de esculturas, a partir dos quais busca entrelaçar aspectos como espacialidade, matéria e poesia. Casa Triângulo. R. Estados Unidos, 1.324, Jd. América, 3167-5621. Inauguração: 2ª (13). 10h/19h (fecha dom.). Grátis. Até 15/9.

Rodrigo Sassi
Com curadoria de Mario Gioia, o artista apresenta ‘Esquinas que me Atravessam’, mostra que reúne instalações e xilogravuras criadas a partir de elementos usados e descartados da construção civil. CCBB. R. Álvares Penteado, 112, Centro, 3113-3651. Inauguração: sáb. (11). 9h/21h (fecha 3ª). Grátis. Até 22/10.