‘Dois Amigos’ marca estreia de Louis Garrel na direção
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘Dois Amigos’ marca estreia de Louis Garrel na direção

Redação Divirta-se

03 de dezembro de 2015 | 16h57

 

Foto: Divulgação.

Foto: Divulgação.

Bonito e talentoso, Louis Garrel virou uma espécie de garoto-propaganda do cinema francês mais autoral. Além dos filmes com o pai, Philippe Garrel, e o amigo Cristophe Honoré, ele brilhou na reconstituição de Maio de 68 por Bernardo Bertolucci, ‘Os Sonhadores’. Louis Garrel esteve na semana passada em São Paulo para promover Dois Amigos, que assinala sua estreia na direção de longas.

Antes, andou fazendo curtas (três), todos bons. O longa consegue ser melhor ainda. Em entrevista, Louis contou como o pai e o avô, o ator Maurice Garrel, foram decisivos em sua vida. Elogiou Bertolucci (“Converso muito com ele ao telefone”) e Honoré, que coassina o roteiro (“Precisava de alguém criativo, que entendesse a juventude”). E, somou a tudo, a revelação sobre sua grande referência para o filme.
O enredo trata da relação de dois amigos, os personagens de Vincent Macaigne e Garrel, que se envolvem com a mesma mulher. Ela é a iraniana Golshifeth Farahani, no papel de uma presidiária com licença para sair da cadeia para trabalhar. Como grande inspiração surge François Truffaut.

Sobre a possível semelhança com ‘Jules e Jim – Uma Mulher para Dois’, também sobre um triângulo amoroso, Garrel esclarece. “Truffaut me interessou pela liberdade de tom, completamente nouvelle vague, e pelo tema do amor, sempre presente em seu cinema.” Os numerosos fãs de Louis Garrel podem relaxar. Ele é mais que belo. Um grande diretor. Luiz Carlos Merten