Divirta-se: selecionamos o melhor da 42ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Divirta-se: selecionamos o melhor da 42ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo

Humberto Abdo

18 Outubro 2018 | 16h49

Longa de abertura tem Emma Stone no elenco. Foto: Twentieth Century Fox

A 42ª Mostra Internacional de Cinema reúne mais de 300 títulos. Nas próximas páginas, indicamos o que você não pode deixar de ver

A 42ª Mostra Internacional de Cinema ocupa, até 31/10, mais de 30 salas da capital com 336 filmes nacionais e estrangeiros. Clássicos restaurados, homenagens e produções inéditas estão entre os títulos, incluindo o longa de abertura – ‘A Favorita’ (foto), de Yorgos Lanthimos – e o de encerramento – ‘Roma’, de Alfonso Cuarón.

Nesta edição, a artista Laurie Anderson assina o cartaz do evento com uma reprodução de sua instalação em realidade virtual ‘Chalkroom’, que será apresentada em novo espaço do Cinesesc.

Antes de sair de casa, sempre confirme os horários das sessões no site do evento (42.mostra.org), pois a programação pode sofrer alterações. Humberto Abdo (com colaboração de Luiz Carlos Merten e Ubiratan Brasil)

INGRESSOS E PACOTES

– Ingresso avulso: R$ 20 (2ª a 5ª) / R$ 24 (6ª, sáb. e dom.).
– Permanente Integral: R$ 500.
– Permanente Especial: R$ 117 (para todas as sessões de 2ª a 6ª, até 17h55).
– Pacote 40 ingressos: R$ 374.
– Pacote 20 ingressos: R$ 220.

Central da Mostra. Conj. Nacional. Av. Paulista, 2.073, metrô Consolação, 2172-2042. 11h/21h. Até 31/10. Ingressos avulsos são vendidos apenas nas respectivas salas de exibição ou pela internet (www.veloxtickets.com).

HOMENAGEADOS

Behnaz Jafari interpreta ela mesma em drama iraniano. Foto: Jafar Panahi Film Production

+ Vencedor de melhor roteiro no Festival de Cannes, o drama ‘3 Faces’ (foto), do cineasta iraniano Jafar Panahi, receberá o Prêmio Leon Cakoff desta edição da Mostra. Na trama, Behnaz Jafari dá vida a uma atriz que abandona uma filmagem para ajudar uma garota proibida pela família conservadora de continuar os estudos. Reserva Cultural: 22/10, 21h45; 30/10, 20h. Itaú Pompeia: 23/10, 21h. Caixa Belas Artes: 24/10, 19h.

+ Quatro títulos fazem parte do Centenário Nelson Mandela, homenagem ao líder sul-africano. Entre eles, ‘Invictus’ (2009), drama de Clint Eastwood que tem Morgan Freeman e Matt Damon no elenco (Vão-livre do Masp: 27/10, 19h30); e o inédito ‘O Estado Contra Mandela e os Outros’, documentário dirigido por Gilles Porte e Nicolas Champeaux (Cinesesc: 21/10, 19h45. Caixa Belas Artes: 22/10, 13h40. Frei Caneca: 23/10, 13h30; 30/10, 21h40. Cinesala: 28/10, 15h50).

Trama acompanha história de uma família pouco convencional. Foto: Wild Bunch Germany 2018

+ Hirokazu Kore-eda é um dos homenageados do Prêmio Humanidade, concedido pela 42ª Mostra. A programação exibe o filme mais recente do diretor japonês, ‘Assunto de Família’ (foto), que recebeu a Palma de Ouro no Festival de Cannes deste ano. O enredo acompanha uma família pobre que vive à base de pequenos furtos. Reserva Cultural: 20/10, 22h20; 27/10, 16h. Cinesala: 21/10, 17h45. Cinesesc: 26/10, 18h40.

+ O médico Drauzio Varella também recebe o Prêmio Humanidade, por sua relação com a escrita e com formatos audiovisuais – o principal exemplo disso é seu livro ‘Estação Carandiru’ (1999), que virou filme. A premiação do autor ocorrerá antes da exibição do curta ‘Conversa com Ele’, de Bárbara Paz, e da cópia restaurada de ‘Pixote: A Lei do Mais Fraco’ (1981), longa de Hector Babenco sobre quatro jovens carentes que fogem de um reformatório e passam a conviver com uma prostituta. Cinesesc: 27/10, 21h30.

DIRETOR RELEMBRADO

+ A Mostra revê parte da obra do dinamarquês Lars Von Trier, com destaque para o inédito ‘A Casa que Jack Construiu’ (foto; Cinearte: 20/10, 20h30. Marabá: 21/10, 18h40. Itaú Augusta: 22/10, 20h40. Frei Caneca: 25/10, 20h45. Cinesesc: 28/10, 20h45), além de outros três longas, como ‘Ondas do Destino’, de 1996 (Itaú Augusta: 19/10, 14h. Frei Caneca: 21/10, 16h30; 25/10, 17h45).

INTERNACIONAIS

Comédia de Spike Lee critica onda de racismo nos Estados Unidos Foto: Universal Pictures

+ Na Perspectiva Internacional, o evento reúne títulos como o inédito ‘Infiltrado na Klan’ (foto), que ganha quatro sessões ao longo da Mostra (Frei Caneca: 19/10, 19h10. Itaú Pompeia: 22/10, 21h. Cinesala: 26/10, 18h40. Itaú Augusta: 29/10, 14h). Nesta comédia de Spike Lee, baseada em fatos, um policial negro investiga atos de racismo e vandalismo organizados pelo grupo americano Ku Klux Klan. De Hans Weingartner, o filme ‘303’ (Itaú Augusta: 25/10, 18h20; 26/10, 20h45. Caixa Belas Artes: 27/10, 17h30. Frei Caneca: 29/10, 14h) retrata uma estudante que viaja para Portugal ao descobrir que está grávida. E o longa de abertura, ‘A Favorita’ (Frei Caneca: 20/10, 19h30. Cinearte: 24/10, 21h30), tem direção de Yorgos Lanthimos e elenco formado por Emma Stone, Rachel Weisz e Nicholas Hoult.

BRASILEIROS

Longa tem Jesuíta Barbosa e Mariana Ximenes no elenco. Foto: Bodega Films

+ Selecionado para concorrer a uma vaga no Oscar 2019, um dos filmes da Mostra Brasil é ‘O Grande Circo Místico’ (foto), de Cacá Diegues (Itaú Pompeia: 29/10, 21h). A história apresenta cinco gerações de uma família circense, desde a inauguração do picadeiro, em 1910, até os dias atuais, com um mestre de cerimônias que nunca envelhece. Outro longa é o ‘Intimidade Entre Estranhos’ (Frei Caneca: 27/10, 19h20; 28/10, 15h40. Cinesesc: 29/10, 15h30), de José Alvarenga Jr., sobre Maria, mulher casada de 35 anos que se envolve com Horácio, um rapaz de 18. Na lista de documentários, ‘Humberto Mauro’ (Frei Caneca: 19/10, 21h40; 20/10, 16h. Cinearte: 25/10, 15h50), de André Di Mauro, faz um tributo ao cineasta mineiro.

NOVOS DIRETORES

+ A Competição de Novos Diretores reúne títulos como ‘El Motoarrebatador’, do argentino Agustín Toscano (Frei Caneca: 20/10, 15h30; 30/10, 16h. Caixa Belas Artes: 21/10, 13h40. Reserva Cultural: 22/10, 17h50. Itaú Augusta: 31/10, 21h50). O enredo retrata Miguel, que ganha a vida como um ‘motochorro’, ladrão que furta pedestres em uma moto. O filme ‘José’, do chinês Li Cheng (IMS: 20/10, 20h10. Itaú Augusta: 21/10, 21h40. Cinearte: 22/10, 14h. Spcine Olido: 31/10, 17h), aborda a homossexualidade na Guatemala, um dos países mais religiosos e violentos da América Latina. Já o longa ‘Culpa’ (Caixa Belas Artes: 19/10, 17h20. Marabá: 20/10, 15h. Frei Caneca: 21/10, 21h50. Cinearte: 29/10, 17h30), que concorre a uma vaga para o Oscar 2019, é dirigido pelo dinamarquês Gustav Möller.

RESTAURADOS

Foto: Europa Filmes

+ Premiado com o Urso de Ouro, de melhor filme, e o Urso de Prata de melhor atriz no Festival de Berlim 1998, o filme Central do Brasil (foto) comemora 20 anos com uma sessão de cópia restaurada (Itaú Augusta: 30/10, 21h), que terá a presença do diretor Walter Salles e dos atores Fernanda Montenegro e Vinícius de Oliveira. Também ganham sessões com cópias restauradas ‘O Bravo Guerreiro’ (1968), de Gustavo Dahl, sobre um jovem deputado da oposição que decide mudar de partido para se infiltrar no governo (Cinemateca: 20/10, 19h30); ‘Feliz Ano Velho’ (1987), de Roberto Gervitz (Cinesesc: 26/10, 21h. Cinemateca: 29/10, 19h); e ‘Asas do Desejo’ (1987), de Wim Wenders (Frei Caneca: 21/10, 14h; 22/10, 17h30; 28/10, 16h30. Marabá: 23/10, 16h30).

IMERSIVOS

Foto: Junglebee

+ Curtas com tecnologia de realidade virtual serão exibidos no Cinesesc, com sessões gratuitas de hora em hora, entre 14h30 e 20h30 (retirar ingresso 1h antes), durante toda a Mostra. Entre eles, o documentário Ocupação Mauá, do brasileiro Tadeu Jungle (foto), um dos precursores do formato no País. Ali, inaugurando um espaço anexo ao cinema, a obra ‘Chalkroom’, da artista Laurie Anderson, reproduz um cenário com palavras e figuras flutuantes.

EXIBIÇÕES ESPECIAIS

+ Apresentações especiais ocorrem em dois espaços. No Vão-livre do Masp, serão exibidos títulos como ‘As Canções’ (2011), de Eduardo Coutinho (23/10, 19h30), e ‘Ópera do Malandro’ (1986), de Ruy Guerra (26/10, 19h30). Na plateia externa do Auditório Ibirapuera, a Orquestra Jazz Sinfônica conduz a trilha sonora do clássico ‘A Caixa de Pandora’ (1929), longa alemão dirigido por Georg Wilhelm Pabst (27/10, 19h). No Parque Ibirapuera, também será exibido o longa de encerramento, ‘Roma’, de Alfonso Cuarón (31/10, 19h30). As projeções, nesses casos, são gratuitas.

Já algumas produções dedicadas ao pensamento de Karl Marx integram a mostra especial Marx 200 Anos. Entre elas, ‘Trabalhos Ocasionais de uma Escrava’ (1973), de Alexander Kluge (CCSP: 31/10, 17h), e ‘Marx Reloaded’ (2011), de Jason Barker (IMS: 23/10, 16h; 30/10, 14h).

INDICADOS AO OSCAR

+ Já se tornou tradicional a Mostra trazer, em sua programação, filmes que representam seus países na luta pelo Oscar de melhor produção estrangeira. Neste ano, são 19, muitos com grande chance de figurar na lista dos cinco finalistas cujo vencedor será conhecido na cerimônia do dia 24 de fevereiro.

Um dos grandes favoritos é o representante mexicano, ‘Roma’, de Alfonso Cuáron (foto) – isso, claro, se a Academia não se importar com o fato de ser a Netflix a principal produtora do longa, o que implica regras especiais para sua exibição em streaming. Isso dividiu grandes festivais, com Cannes se negando a exibir o filme, enquanto Veneza não só o abraçou como o premiou.

Roma acompanha uma família de classe média que vive na Cidade do México. Foto: Netflix

Na lista da Mostra, grandes nomes disputam a atenção. ‘Assunto de Família’, do japonês Hirokazu Kore-eda, por exemplo, trata de um tema delicado: uma família acostumada a furtos é, ao mesmo tempo, aberta ao amor familiar. Impossível recriminá-la.

Já ‘A Árvore dos Frutos Selvagens’ (Cinesala: 23/10, 19h45. Itaú Pompeia: 24/10, 21h. Reserva Cultural: 26/10, 14h. Cinesesc: 27/10, 18h. Frei Caneca: 31/10, 15h30), do turco Nuri Bilge Ceylan, também foca a família, por meio de imagens belíssimas, ao narrar a transformação sentimental passada por um menino. A lista inclui ainda ‘Guerra Fria’, do polonês Pawel Pawlikowski (Cinesesc: 21/10, 22h10. Itaú Augusta: 22/10, 14h. Cinearte: 24/10, 16h. Frei Caneca: 26/10, 13h30; 27/10, 14h); ‘El Ángel’, do argentino Luis Ortega (Cinesesc: 23/10, 19h50. Frei Caneca: 24/10, 18h45. Cinesala: 29/10, 20h. Itaú Augusta: 30/10, 18h45. Reserva Cultural: 31/10, 14h); e o brasileiro ‘O Grande Circo Místico’, de Cacá Diegues. Ubiratan Brasil

FILMES PREMIADOS

+ Nesses mais de 40 anos, a Mostra virou referência para os cinéfilos, que esperam para ver as novidades do cinema mundial. Por mais que o evento promova debates para refletir sobre o estado do mundo ou tentar incrementar a produção, o que a maioria do público quer ver são os filmes.

Os premiados de Cannes, Berlim, Locarno e Veneza integram a programação. Sergei Loznitsa, o grande cineasta russo, entrevistado há pouco pelo Estado, garantiu para o repórter que ‘Roma’, de Alfonso Cuarón, vencedor do Leão de Ouro, é o melhor filme dos últimos anos.

‘Verão’ retrata cena do rock underground na União Soviética, nos anos 1980. Foto: Imovision

Já a Palma de Ouro atribuída a ‘Assunto de Família’, de Hirokazu Kore-eda, é discutível, para se dizer o mínimo. Havia filmes melhores, pelo menos uns três. ‘Verão’ (Cinesala: 19/10, 19h30. Frei Caneca: 21/10, 17h20. Reserva Cultural: 28/10, 19h20); ‘A Árvore dos Frutos Selvagens’ e ‘Infiltrado na Klan’. E havia o Godard, com ‘Imagem e Palavra’ (Reserva Cultural: 23/10, 22h10; 31/10, 18h10. Cinesesc: 25/10, 19h40. Cinearte: 26/10, 18h. Reserva Cultural: 31/10, 18h10). O próprio título do filme ressalta um aspecto decisivo dessa Mostra, que tem pôster e vinheta inspirados numa imagem retirada da instalação em realidade virtual de Laurie Anderson, que estará no anexo do Cinesesc, ‘Chalkroom’. Imagens e palavras – a escrita participa do audiovisual.

O que a 42ª Mostra propõe é uma seleção diversificada, com um viés particular. A política está na ordem do dia e o evento, como um espelho, reflete isso. Luiz Carlos Merten

NOSSAS APOSTAS

UBIRATAN BRASIL (editor do Caderno 2)

Túmulos Sem Nome. O cambojano Rithy Panh e seu incansável caminho em busca da paz. Criança de 13 anos, que perdeu boa parte da família sob o regime do Khmer Vermelho, sai em busca dos túmulos dos entes queridos. Uma viagem espiritual.

Infiltrado na Klan. Spike Lee retoma o vigor com que trata de temas como racismo, notável no início de sua carreira. Aqui, policial negro consegue se infiltrar, por meio de um amigo branco, na organização racista Ku Klux Klan para antecipar seus atos.

3 Faces. A prisão domiciliar não impede o iraniano Jafar Pahani de fazer filmes instigantes. Aqui, ele acompanha três mulheres a partir da história de uma atriz que recebe um vídeo sobre uma jovem, que se matou por ser impedida de ser atriz.

Uma Carta para um Amigo em Gaza. O israelense Amos Gitai mantém firme seu foco em assuntos delicados, como posicionamentos questionáveis de Israel e de palestinos. Em 30 minutos, textos de Albert Camus são lidos em favor da paz.

Domingo. O longa dirigido por Fellipe Barbosa e Clara Linhart chega em um momento conturbado, que põe sua história (originalmente escrita durante o primeiro mandato de Lula) em confronto com a realidade: as relações entre elite e proletariado.

LUIZ CARLOS MERTEN (crítico de cinema e repórter do Caderno 2)

A Árvore dos Frutos Selvagens. Último filme da competição em Cannes 2018, o longa do turco Nuri Bilge Ceylan foi ignorado pelo júri. Vergonha! Uma família, o filho pródigo. Diálogos densos, planos-sequência belíssimos. Uma obra-prima.

Em Chamas. O sul-coreano Lee Chang-dong levou o prêmio da crítica em Cannes por esse drama inspirado numa história curta do escritor Haruki Murakami. Conflitos sociais, geracionais. O mundo arde nas chamas da revolta.

Verão. O russo Kirill Serebrennikov não pôde ver seu filme porque está preso, sem provas, na Rússia – é o preço de fazer oposição a Putin. Um triângulo amoroso no verão mais roqueiro da Perestroika. Juventude e sonhos. Amor e dor. Lindo!

Trabalhos Ocasionais de uma Escrava. Mulher e mãe; tripla jornada. E se Alexander Kluge tiver sido o maior diretor do novo cinema alemão, nos anos 1960 e 70? A mostra dedicada aos 200 anos de Karl Marx o tira do ostracismo.

Imagem e Palavra. Em Cannes, o filme passou como ‘O Livro de Imagem’. Jean-Luc Godard dá prosseguimento a ‘Adeus à Linguagem’. Investiga o cinema, o mundo árabe, as guerras. Aos 87 anos, ninguém é mais jovem que ele.

LUIZ ZANIN ORICCHIO (crítico de cinema e colaborador do Estado)

Assunto de Família. Uma família, em aparência, normal aos poucos revela que se formou de maneira inusitada. O japonês Hirokazu Kore-eda mostra seu talento em discutir relações humanas, de forma profunda, terna e jamais banal.

Família Submersa. A morte da irmã não é suficiente para alterar a rotina caótica de Marcela. Esse caso familiar é filmado de maneira original, com tempos estendidos e cenas lacunares, como nos filmes de Lucrecia Martel – influência assumida pela diretora argentina Maria Alché.

Torre das Donzelas. Comovente documentário de Susanna Lira sobre as ex-presas políticas do Presídio Tiradentes, no tempo da ditadura. Entre elas estava a ex-presidente Dilma Rousseff. O filme foi consagrado pelo público do há pouco encerrado Festival de Brasília.

Trem das Vidas ou a Viagem de Angélique. O diretor francês Paul Vecchiali monta um dispositivo sui generis para que a personagem fale de sua vida. Ela está sempre na poltrona de um trem, conversando com várias pessoas. A vida se desvela pela palavra. Simples e genial.

Diamantino. A comédia ácida de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt mostra um tipo que se parece em tudo com o astro Cristiano Ronaldo. Fazendo graça, discute o atual culto às celebridades, de forma corrosiva, mas também compreensiva com o personagem.