Dirigida por Rafael Gomes, peça aborda vida e obra da violoncelista Jacqueline du Pré
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Dirigida por Rafael Gomes, peça aborda vida e obra da violoncelista Jacqueline du Pré

Júlia Corrêa

01 Dezembro 2016 | 17h22

Após encerrar temporada de ‘Gota D’Água (A Seco)’, adaptação do musical de Chico Buarque e Paulo Pontes, o diretor Rafael Gomes volta-se à música erudita na peça ‘Jacqueline’. O novo trabalho, com texto também assinado por ele, é inspirado na vida e na obra da violoncelista Jacqueline du Pré, interpretada pela atriz Natália Lage.

Definido como uma ‘peça-concerto’, o espetáculo é escrito e encenado a partir de Concerto Para Violoncelo e Orquestra em Mi Menor Opus 85, composição de Edward Elgar bastante associada à musicista britânica.

Laura Del Rey/Divulgação

Foto: Laura Del Rey/Divulgação

A proposta do diretor é que as variações de intensidade da música acompanhem o andamento da trama, que aborda a conturbada relação de Jacqueline com sua irmã mais velha, a flautista Hilary du Pré. O enredo mostra essa intensa ligação entre as duas ser transformada em rivalidade artística e amorosa.

Hilary chegou a abordar o tema em ‘A Genius in the Family’, de 1997, livro escrito após a morte prematura da irmã, em 1987, vítima de uma esclerose múltipla que a fez abandonar a música no auge da carreira. Em 1998, a história das duas irmãs também foi levada aos cinemas por Anand Tucker, no longa ‘Hilary and Jackie’, com Emily Watson no papel da violoncelista.

Foto: Reprodução

A violoncelista Jacqueline du Pré. Foto: Reprodução

Rafael Gomes, vencedor do Prêmio Shell deste ano por ‘Um Bonde Chamado Desejo’diz que a peça encerra uma trilogia  sobre mulheres ‘massacradas’. Além da trajetória desarranjada de Jacqueline, o diretor explorou os mistérios e devaneios de Blanche, emblemática personagem da obra de Tennessee Williams, e, mais recentemente, as tensões conjugais da personagem Joana, na adaptação de ‘Gota D’Água’.

Na visão do diretor, são “personagens que, de uma forma ou de outra, agem em direção ao destino que encontram. Jacqueline, por outro lado, é aquela que sofre o desfecho mais cruel, porém totalmente alheio às suas ações e escolhas.”

Para esta nova montagem – depois das parcerias com Maria Luísa Mendonça, em ‘Um Bonde’, e com Laila Garin, em ‘Gota D’Água’ –, Gomes se reencontra com Natália Lage, com quem já havia trabalhado em ‘Edukators’, em 2013. Os atores Daniel Costa, Fabricio Licursi e Arieta Corrêa completam o elenco da peça, que fica em cartaz até 18 de dezembro, no Sesc Consolação.

90 min. 14 anos. ONDE: Sesc Consolação. Teatro Anchieta (280 lug.). R. Dr. Vila Nova, 245, 3234-3000. QUANDO: Estreia hoje (2). 6ª e sáb., 21h; dom., 18h. Até 18/12. QUANTO: R$ 12/R$ 40.