As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cursos online: conheça diferentes formas de aprender um idioma sem sair de casa

Júlia Corrêa

20 de março de 2020 | 17h17

Levy Teles, especial para o Estado

Aprender um novo idioma é uma boa forma de combater o tédio e se preparar para as viagens que virão. E, em alguns casos, até aumentar a interação social, obrigatoriamente menor atualmente.
Em 2017, Aline Rodrigues, de 41 anos, buscava aprimorar o inglês por meio de uma plataforma de cursos online. Acabou se apaixonando por um sul-coreano que vivia no Canadá – hoje, seu marido. “Conheci uma pessoa onde eu menos esperava”, conta.

No caso de Aline, a motivação para buscar novas ocupações foi ter passado por um divórcio. “Comecei a me ocupar. Fiz academia, cursos. Pus na minha cabeça que precisava conseguir um trabalho fora de São Paulo”, conta. Para isso, o inglês precisava melhorar, e um colega indicou o curso online. Ela decidiu tentar. A plataforma tinha como característica juntar pares de pessoas do mundo todo com perfil similar e interesse em aprender o mesmo idioma. Assim, ela fez uma dupla com Chang-Hyun, viúvo com um filho. Logo se apaixonaram, Aline foi visitá-lo no Canadá – para onde se mudou.

Aline e família. Foto: Acervo Pessoal

Há outras plataformas para aprender idiomas, de aplicativos a canais no YouTube, voltada a perfis de alunos e idiomas diferentes, pagas e gratuitas, que listamos abaixo. Um exemplo é o canal Pula Muralha do YouTube. A professora é Si Liao, a Sisi, chinesa de 32 anos que veio para o Brasil para ensinar mandarim em 2011. Ficou pelo mesmo motivo que fez Aline se mudar: se apaixonou e casou com um brasileiro. Sisi criou um material próprio para o estudo, que usa cartões que ajudam a memorizar ideogramas. “O mandarim é mais fácil que o brasileiro pensa”.

1. Duolingo. Um dos aplicativos de idiomas mais conhecidos no momento. O Duolingo é gratuito e tem 36 idiomas em seu catálogo – incluindo fictícios, como Klingon (da série de ficção científica Star Trek). Uma maneira de dar os primeiros passos no idioma desejado. As aulas estimulam um aprendizado de forma intuitiva, mas há uma seção com uma breve aula da categoria que você quer aprender. Nos comentários dá para tirar dúvidas. Para desktop ou celular.

São 36 idiomas disponíveis no Duolingo, que é gratuito. Foto: Daniel Teixeira/Estadão

2. Rosetta Stone. Um dos apps mais antigos na área, o Rosetta Stone está presente há duas décadas. São 24 idiomas disponíveis no catálogo e a mensalidade pode variar entre US$ 36 por três meses de aula (R$ 180) e US$ 1.000) pela assinatura vitalícia. Pode ser usado no desktop e no celular.

3. Memrise. Uma das grandes vantagens do Memrise é o uso de vídeos para ver nativos pronunciando o idioma em situações comuns do dia a dia. São 21 idiomas no catálogo. Os cartões virtuais do app são uma excelente forma (e um trunfo, em comparação aos demais) – para fixar os assuntos. Para desktop e ou celular.

4. Tandem. O aplicativo, usado em forma de chat, é uma boa opção para quem prefere aprender idiomas com outra pessoa. O usuário coloca as línguas que fala e aquelas que tem interesse em falar – e pode conversar com outras pessoas tanto para ensinar como para aprender. A versão paga dá alguns privilégios exclusivos. Disponível apenas para celular. Outro no mesmo estilo é o Ablo, focado em interação. Ele traduz as mensagens automaticamente, para reduzir a barreira linguística.

5. Pula Muralha. Idiomas de uma origem diferente da latina são desafiadores. Com outro alfabeto exigem ainda mais atenção especializada. Sisi é chinesa (da China mesmo, como ela gosta de brincar) e tem um canal no YouTube, página no Instagram e ensina mandarim online. O curso custa R$ 123 ao mês, mas estará gratuito nos próximos 30 dias, para quem está de quarentena e quer aprender o idioma.

Sisi, em seu curso online. Foto: Divulgação

6. Canais de comunicação pública. Pode soar estranho, mas procurar os principais canais públicos de jornalismo do mundo é uma boa fonte de aprendizado. A Deutsche-Welle, empresa pública de radiodifusão da Alemanha, tem versão em português e uma página que ensina o idioma germânico de forma gratuita, com aulas disponíveis para download. A BBC, britânica, RFI, francesa, e a NHK, japonesa, também oferecem serviço similar. No Desktop e celular.

7. Universidade do Vale do São Francisco. A Univasf, em Pernambuco, ministra cursos de espanhol gratuitos para todos: basta preencher um formulário. Há aulas de espanhol básico e para negócios, que dão certificado para quem conseguir mais de 70% de proficiência.

8. Educa Yorubá. O site oferece aulas gratuitas de iorubá – idioma falado na Nigéria e presente em religiões de matriz africana (como o candomblé) – no YouTube e no seu site. Há também opções pagas, com emissão de certificado.

9. Babbel. A versão paga vem com alguns benefícios, mas também há serviços gratuitos. São 14 idiomas disponíveis, sistema que pratica o vocabulário com o auxílio de imagens e identifica pontos fracos e que precisam ser reforçados durante o estudo. Pode ser usado no Desktop e no celular.

10. How to Pronounce. Quem já estudou inglês sabe da dificuldade de entender e pronunciar certos fonemas. O exemplo clássico são palavras como tough (difícil), though (apesar) e thought (pensamento). O site tem um vasto catálogo desses sons, basta consultar o site.

11. Universidade de Dalarma. A universidade sueca de Dalarna oferece aulas gratuitas, em vídeo, de árabe básico, no YouTube. É possível compreender o alfabeto, a gramática, as marcas diacríticas e outros aspectos do idioma. Apenas em inglês.

12. Icelandic Online. A Universidade da Islândia disponibiliza cursos online para interessados em aprender o idioma islandês. Há aulas completas para nível básico e intermediário, que podem ajudar a entender (ou tentar) algumas músicas da Björk.

Tendências: