Cafés em São Paulo: confira uma seleção de novas casas em que a bebida é protagonista
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cafés em São Paulo: confira uma seleção de novas casas em que a bebida é protagonista

Lucineia Nunes

21 Junho 2018 | 16h22

O Divirta-se visitou uma leva de cafeterias abertas nos últimos meses na capital e conta o que cada uma tem de melhor – da seleção dos grãos aos quitutes. Entre elas, tem casas modernas, em que o café é o coração do negócio, e lugares com cardápio farto de comidinhas, que também prezam pela bebida bem-feita. Além do onipresente expresso, algumas cartas apresentam diferentes métodos de preparo. Para entender os principais tipos, confira abaixo o glossário.

Café For Fun

Foto: Edson Martos

Não se engane: o salão do simpático Café for Fun é apertadinho, mas, ali, o cardápio é extenso e o café ganha atenção especial nos diferentes métodos de preparo. O blend com grãos do cerrado mineiro, elaborado pelo barista Ton Rodrigues, fica ótimo coado na Aeropress (R$ 12). Também há drinques gelados e, para acompanhar, comidinhas como a bureka de batata com cebola e a úmida torta de banana com canela (R$ 8, cada). R. Álvaro Anes, 37, Pinheiros, 3034-5467. 8h/19h (sáb., 10h/18h; fecha dom.).

Botanikafé

Foto: Lucinéia Nunes/Estadão

+ No Botanikafé, a cozinha fica logo na entrada, num corredor estreito que leva a uma varanda arborizada, ideal para um bom café expresso ou coado (R$ 6, cada), feito com grãos de pequenos produtores. Já o cardápio traz tigelas como de açaí e creme de manga (R$ 22/R$ 30); e uma seleção de torradas, com coberturas que incluem ovo, abacate, queijo, shitake e fruta (R$ 18/R$ 35). R. Padre Carvalho, 204, Pinheiros, 3819-0726. 9h30/16h30 (fecha 2ª e 3ª).

Terima Kasih Boulangerie Café

Foto: Lucinéia Nunes/Estadão

O Terima Kasih Boulangerie Café fica em um trecho movimentado de Perdizes e tem como vizinhos o Bar do Urso e a lanchonete Bullguer. Mas o espaço descolado, com direito a um deck na entrada e apenas uma bancada para se acomodar do lado de dentro, poderia estar em outras partes do mundo, inclusive em Bali, que serviu de inspiração para a abertura da casa. ‘Terima Kasih’, aliás, é uma expressão de gratidão muito usada na Indonésia. De lá veio também o ‘Charcoal Latte Coffee’ (R$ 20), que mistura café e carvão ativado. O café Wolff entra ainda em outras receitas e métodos, como Aeropress, Hario V60, Clever e prensa francesa (R$ 12/R$ 16). Na vitrine, há quitutes de boa procedência, como os doces da Confeitaria Dama e as burekas da Casa Búlgara. R. Dr. Cândido Espinheira, 338, lj. 3, Perdizes, 4329-1040. 10h30/18h30 (fecha 2ª).

Vélo48 – Bikes & Coffee

Foto: Lucinéia Nunes/Estadão

Tudo no Vélo48 – Bikes & Coffee remete ao universo do esporte. Encostado à cafeteria, funciona uma loja e oficina para ciclistas. No amplo cardápio, há desde opções para o café da manhã até pratos e sanduíches, como o caprichado tostex de presunto, muçarela e tomatinho (R$ 32, com salada). Já na seção de cafés figuram diferentes preparos, do ‘Café Frisante’ (R$ 15), com expresso e tônica, aos bons coados na Clever (R$ 7) ou Hario V60 (R$ 11). R. Amauri, 311, Itaim Bibi, 4780-0604. 7h/20h (dom., 7h/18h).

Coa Café

Foto: Lucinéia Nunes/Estadão

Vale desviar o caminho para conhecer o Coa Café, ‘escondido’ numa galeria da Barra Funda. Antes de mudar para lá, o Coa funcionava num quiosque em uma garagem dos Jardins. Moderninha, a casa só serve cafés coados (R$ 5/R$ 6), com Hario V60, Clever, prensa francesa ou Aeropress. Os grãos moídos na hora são do Cuesta, de Pardinho, interior de São Paulo. “Um grão não tão complexo, porém muito saboroso”, diz Clara Ballot, uma das sócias, que divide o balcão com Heitor Fontes. Lá, o café é mesmo a alma do negócio. Mas há alguns bons quitutes para fazer companhia, como o ‘Brownie da Alê’ (R$ 6) e o brioche com manteiga (R$ 5). Av. Marquês de São Vicente, 405, lj. 13, Barra
Funda. 8h/18h (fecha sáb. e dom.).

Café Le Manjue

Foto: Lucinéia Nunes/Estadão

Filhote do restaurante homônimo, o Café Le Manjue segue o mesmo preceito de cozinha saudável à base de orgânicos, sob o comando do chef Renato Caleffi. Instalado na entrada do co-working Civi-co, serve desde doces e salgados (alguns veganos), como o ‘Kibe Mix de Cereais’ (R$ 13) e a ‘Coxinha Fit’ (R$10), até sanduíches e pratos para um almoço mais leve. Para arrematar, prove o expresso (R$ 5) ou o cappuccino (R$ 8,50). R. Dr. Virgílio de Carvalho Pinto, 445, Pinheiros. 9h/19h (fecha sáb. e dom.).

Diário Café

Foto: Lucinéia Nunes/Estadão

O Diário Café tem o cenário perfeito para uma pausa ao lado de uma boa xícara da bebida. A cafeteria ocupa os fundos da loja de marcenaria Maria Joaquina, com jardim e árvores frutíferas. O clima familiar se estende ao serviço acolhedor e às comidinhas, que são feitas pelos proprietários e por suas mães, a exemplo do pão de queijo (R$ 4,50) e dos bolos (R$ 8, a fatia) – o de chocolate amargo é delicioso. Há ainda empanadas do Juanito’s (R$ 7,90) e, claro, uma boa carta de cafés dividida em expressos, gelados e coados, como Kalita e Hario V60 (R$ 12, cada), com grãos torrados pelo True Coffee Inc. R. Girassol, 481, V. Madalena, 3476-5675. 10h/18h (fecha dom.).

O Cantinho Mineiro

Foto: Lucinéia Nunes/Estadão

Com moda de viola ecoando no salão e prateleiras forradas de quitutes, o recém-aberto O Cantinho Mineiro é mais rústico e apegado às tradições de lá. Para acompanhar o saboroso pão de queijo recheado com queijo da Canastra (R$ 10) ou o bolo de pamonha (R$ 8, a fatia), a carta traz cinco cafés de diferentes regiões, como o Carmo de Minas, que é coado na mesa com filtro de tecido (R$ 10). R. Taquari, 54, Mooca, 95064-2233. 10h/19h30 (6ª, 10h/21h; sáb., 9h/21h; dom., 9h/18h).

OUTRAS DICAS

‘Caçador’ e torrador de café para várias casas, Ton Rodrigues, finalmente, abriu sua cafeteria. O True Coffee Inc. também abriga cursos e o centro de torra. R. Quintana, 741, Brooklin Paulista, 94548-4955. 9h/19h (fecha sáb. e dom.).

A Deltaexpresso Coffee Convenience Store abriu a primeira loja de rua, na capital, com carta de expressos, salgados e doces, além da venda de máquinas e acessórios. Pça. do Patriarca, 66, Sé, 3242-5557. 7h/18h (sáb., 7h/14h; fecha dom.).

Foto: Daniel Von

Idealizado por Philip von Koss, o Minimalista Coffee Shop (foto acima) aposta em cafés especiais preparados com diferentes métodos, como os coados Kalita e Aeropress (R$ 7,50, cada). R. Joerg Bruder, 75, V. São Francisco, 2537-8505. 7h30/18h (fecha dom.).

O QUE VEM POR AÍ

Lina Café Paulista

Foto: Lina Café Paulista

O Lina Café Paulista deve ser inaugurado em meados de julho, no alto da escadaria do Edifício Gazeta, no nº 900 da Avenida Paulista. O quiosque, com mesas e balcão, terá cardápio enxuto e uma seleção de cafés especiais. São três sócias (foto acima): a premiada barista Silvia Magalhães, que assina a carta de bebidas clássicas e autorais; a jornalista especializada em cafés Giuliana Bastos; e a empresária Flávia Torres Menezes, dona da padaria Mr. Baker, que fornecerá pães e croissants. Padrinho do projeto, o empresário Facundo Guerra ajudou a elaborar o conceito da casa.

 

MÉTODOS DE PREPARO
A barista Sílvia Magalhães explica o resultado na xícara

Coado

Tradicional no País, faz uma bebida mais encorpada. Porém, se o filtro de tecido não for limpo corretamente, o resíduo dos óleos do café interfere no sabor.

Clever

O café moído e a água quente são misturados no filtro e o pó fica em imersão por alguns minutos. A bebida, coada na xícara, ganha intensidade de sabor.

Chemex

Com formato de ampulheta e um filtro específico, resulta em uma bebida muito saborosa, mais ou menos intensa, com boa acidez e sem amargor.

Aeropress

A bebida é extraída sob pressão depois de uma rápida infusão. Fica limpa e saborosa, podendo ser mais leve, como um coado, ou intensa, como um expresso.

Kalita

De fácil preparo, a extração é feita com um filtro de fundo plano, com três orifícios. O resultado é uma bebida muito ‘clean’ e com sabor bem balanceado.

Hario V60

O equipamento tem o interior em formato de espiral, o que proporciona uma boa extração do café coado com filtro: limpo, com sabor intenso e licoroso.

Prensa francesa

O café moído grosso é infusionado e extraído sob pressão. Faz uma bebida mais licorosa e oleosa, com residual intenso e sabor marcante.

Expresso

A máquina extrai muito mais do café, que deve ser moído fino. Na xícara, temos uma bebida bem mais encorpada e intensa em aromas e sabores.