Confira dicas de como aproveitar a 25ª Bienal do Livro
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Confira dicas de como aproveitar a 25ª Bienal do Livro

Redação Divirta-se

02 Agosto 2018 | 18h56

Foto: Márcio Fernandes/Estadão

Um roteiro temático para aproveitar a 25ª edição da Bienal do Livro

Com participação das principais editoras brasileiras e presença de grandes nomes da literatura nacional e estrangeira, a 25ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo reúne, a partir de hoje (3), uma programação com lançamentos, bate-papos e atrações culturais. Além dos 197 estandes, o evento conta com 14 arenas espalhadas por 75 mil m² do Anhembi. Sharjah, cidade dos Emirados Árabes Unidos, foi escolhida como convidada de honra e terá estande especial, com obras traduzidas para o português.

Distribuídas com antecedência pelo site, as senhas para a Arena de Autógrafos, que concentram a maior parte das sessões, já estão esgotadas. Mas há muito mais para se aproveitar na Bienal. Por isso, montamos um roteiro dividido por categorias – com experiências que, na prática, se misturam, claro. São elas: ‘para ouvir’ (com palestras e bate-papos); ‘para ver’ (atrações culturais, como espetáculos e shows); e ‘para comprar’ (com lançamentos e promoções). Tem ainda uma linha do tempo, para relembrar outras edições. Humberto Abdo e Júlia Corrêa

ONDE: Pavilhão de Exposições do Anhembi. Av. Olavo Fontoura, 1.209, Santana.
QUANDO: A partir de hoje (3). 9h/22h (sáb. e dom., 10h/22h). Até 12/8.
QUANTO: R$ 20/R$ 25. Inf.: www.bienaldolivrosp.com.br

 

LUÍS ANTONIO TORELLI está no papo

O presidente da Câmara Brasileira do Livro, organizadora do evento, conversou com o Divirta-se:

Como vê a importância da Bienal?
Crianças e adultos folheando livros e conversando com autores é fundamental para formar novos leitores. E ela atrai público de fora do Estado, algo importante para a cidade.

Quais os desafios de organizar o evento?
Precisamos de patrocínio e um bom espaço. Mas, este ano, estou otimista. Praticamente todas as editoras estão presentes e a programação atende a todo tipo de visitante.

O que você mais gosta de fazer quando visita a Bienal?
Adoro conversar com os autores. Tenho algumas curiosidades quando leio um livro e formo na cabeça a imagem do personagem e do enredo.

Foto: Márcio Fernandes/Estadão

ALGUMAS DICAS para aproveitar o evento

– A entrada é gratuita para alguns grupos: menores de 12 anos; idosos com mais de 60 anos; profissionais como bibliotecários, escritores e professores; funcionários e matriculados (com credencial plena) do Sesc.

– Ônibus gratuitos vão ligar o metrô Portuguesa-Tietê à Bienal, com trajeto de ida e volta, todos os dias. Aos fins de semana, também haverá opções a partir do metrô e do terminal rodoviário da Barra Funda.

– O espaço conta com praça de alimentação, bebedouro, telefone público, um lounge de 400 m2 para descanso (que também tem pontos para carregar o celular) e uma área com guarda-volumes (R$ 20).

PARA OUVIR | A programação tem bate-papos e palestras, com temas que incluem teatro, gastronomia e até mesmo reflexões (bem-humoradas) sobre o País. É só chegar na hora e aproveitar

Foto: Eduardo Nicolau/Estadão

+ Grande dama do teatro brasileiro, Fernanda Montenegro (foto), que fará 90 anos em 2019, participa de bate-papo sobre livro ‘fotobiográfico’ sobre sua carreira, organizado pela atriz e lançado este ano pelas Edições Sesc São Paulo. Arena Cultural. 11/8, 16h.

+ Ziraldo e Mauricio de Sousa, mestres dos livros infantis, encontram-se para um bate-papo neste sábado (4). Durante a Bienal, eles lançam o livro ‘Mônica e Menino Maluquinho na Montanha Mágica’, que une o universo dos dois quadrinistas. Aliás, durante todo o evento, o criador da Turma da Mônica terá um espaço dedicado à sua obra – com brincadeiras para adultos e crianças, como pintura, escorregador e parede de escalada – e também a ‘Exposição Mauricio 80’, com linha do tempo de sua vida. Arena Cultural. Sáb. (4), 15h.

+ Membros do humorístico Casseta & Planeta, como Hélio de La Peña e Marcelo Madureira, discorrem, com irreverência, sobre a história do Brasil – assunto que gerou, este ano, o livro ‘Brasil do Casseta’. Arena Cultural. 5ª (9), 16h.

+ Agora também escritor, o ator Lázaro Ramos lançou, em 2017, pela editora Companhia das Letras, um livro em que compartilha reflexões e experiências pessoais. Durante o evento, ele fala ao público sobre essa sua nova faceta. Arena Cultural. Sáb. (4), 16h.

+ O jornalista e escritor Xico Sá participa de bate-papo sobre a crônica. Familiarizado com o formato, ele é autor de livros como ‘A Pátria em Sandálias da Humildade’ e ‘O Livro das Mulheres Extraordinárias’. BiblioSesc. Praça de Histórias. 3ª (7), 18h.

+ Dentro do espaço da Bienal que é dedicado à gastronomia, as chefs Janaína Rueda e Ana Luiza Trajano participam de debate intitulado ‘A Cozinha Brasileira de Cada Dia’, sobre a importância de preservar receitas caseiras tradicionais. Cozinhando com Palavras. 5ª (9), 10h.

PARA VER | Entre as atrações culturais para assistir durante a Bienal, tem instalação audiovisual, intervenção cênica, batalha de rimas e apresentação musical. E nem precisa retirar ingresso

Foto: Wilton Junior/Estadão

+ Em espaço dedicado à cultura nordestina, o cantor e compositor Moraes Moreira (foto) conduz pocket show no primeiro dia de Bienal. A apresentação será após o lançamento do livro ‘Novos Baianos’, com sessão de autógrafos das 16h às 17h (por ordem de chegada). Cordel e Repente. Hoje (3), 17h30/19h30.

+ A partir de suas vivências e reflexões, os grupos Sarau das Pretas e Slam das Minas apresentam ‘batalhas poéticas’ com rimas que exploram temas como o empoderamento feminino, a luta contra o racismo e a realidade das periferias. BiblioSesc. Praça de Histórias. Sáb. (4), 15h/16h.

+ O Museu da Língua Portuguesa, atingido por incêndio em 2015, exibe uma instalação audiovisual que busca recriar sua antiga Praça da Língua. Em meio a projeções, trechos de autores como Fernando Pessoa são interpretados por artistas como Maria Bethânia. Praça da Língua. 9h/22h (sáb. e dom., 10h/22h).

Foto: Antonio Vanfill

+ Com tradução em Libras, o Grupo Três Marias e Um João conduz contação de histórias infantis. Com quatro integrantes – entre eles, Sandra Saavedra e Bruno Luis Vieira (foto) –, o grupo aposta em contos populares, com recursos de narração musicada. BiblioSesc. Praça de Histórias. Sáb. (4), 11h/12h.

+ As Brincadeiras de Cordel, conduzidas pela Cia. do Liquidificador, são uma intervenção itinerante com três atores. Munidos de instrumentos musicais (e também de um guarda-chuva), eles interagem com o público e apresentam a literatura de cordel. BiblioSesc. Praça de Histórias. 11 e 12/8, 12h30/13h30.

PARA COMPRAR |Durante o evento, editoras prometem realizar ações especiais que incluem promoções, descontos e brindes. Confira dicas do que comprar no estande de algumas delas

Marcio Fernandes/Estadão

+ Os títulos da Globo Livros estarão à venda com descontos de a partir de 20% – e alguns deles dão direito a brinde. Quem comprar, por exemplo, o livro ‘Um Milhão de Finais Felizes’ (R$ 19,90), de Vitor Martins, sucesso no YouTube e tido como promessa da literatura jovem brasileira, ganha um kit de ‘bottons’ personalizado.

+ Na Companhia das Letras, o cliente que fizer compras acima de R$ 150 ganha uma sacola ecológica da editora. Entre outras promoções, a compra de ‘Coração-granada’ (R$ 34,90), novo livro de João Doederlein, o Aka Poeta, dá direito a um audiobook do ‘Livro dos Ressignificados’, obra anterior do autor.

+ Em sua estreia na Bienal do Livro, a Todavia, editora criada por sócios egressos da Companhia
das Letras, terá preços especiais em todo o catálogo. Alguns títulos chegam a ter desconto de 40% – como ‘Imunidade’, de Eula Biss, que sai por R$ 30. Nele, a autora relata obsessões com assuntos ligados à saúde.

+ Os 360 títulos que a Intrínseca leva ao evento terão descontos que ficam entre 10% e 90%. Entre as promoções no estande, quem comprar ‘Mentes Sombrias’ (R$ 39,90), de Alexandra Bracken, nesta 5ª (9), ganha brindes como cadernos e concorre a ingressos para a pré-estreia do filme inspirado no livro.

+ Todo o catálogo da Editora 34, conhecido por contar com obras traduzidas diretamente do russo, estará com 30% de desconto no evento. É uma oportunidade para comprar um de seus últimos lançamentos: ‘Almas Mortas’, clássico de Nikolai Gógol, traduzido por Rubens Figueiredo, que sairá por R$ 55,30.

A BIENAL E SUA HISTÓRIA

– Em 1951, a Praça da República recebeu a 1ª Feira Popular do Livro. A 2ª edição, no Viaduto do Chá, em 1956, teve 34 expositores, entre editoras e livrarias. Tido como o embrião da Bienal, o evento fez várias edições nos anos seguintes.

1970
Neste ano, ocorre em São Paulo a 1ª Bienal Internacional do Livro, inspirada na Feira do Livro de Frankfurt. A 2ª edição, com seus 30 mil visitantes, foi destaque (foto) no Estadão de 9/7/1972.

1976
Este é o ano da 4ª Bienal Internacional do Livro, que recebeu cerca de 100 mil visitantes. O número triplicou na edição seguinte, em 1978, atraindo 300 mil pessoas em dez dias de evento.

1986
Durante a 9ª Bienal, a edição de 23/8/1986 do Estadão (foto) destacou o sucesso do evento entre as crianças e o tamanho do local, com prateleiras que, juntas, totalizavam 1,8 km.

1996
Em 19/8/1996, o caderno Informática do jornal (foto) foca os lançamentos em CD-ROM das principais editoras, indicando a popularização de novos formatos.

2006
A partir deste ano, o evento, que já tinha sido realizado no Expo Center Norte e no Centro de Exposições Imigrantes, migra para o Anhembi, onde está até hoje.

2016
Com o tema Histórias em Todos os Sentidos, escolhido para sua 24ª edição, a Bienal passou a fazer parte do calendário oficial de eventos de São Paulo.