As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Comprometa-se, ou fique em casa

Redação Divirta-se

25 de setembro de 2020 | 05h35

RÊ PROVA

Toda semana, Renata Mesquita vai reprovar absurdos vistos por aí nessa nova rotina imposta pela pandemia

Retomo um assunto que é familiar para esta que lhes escreve: frequentar restaurantes. Não só porque é o objeto do meu trabalho, mas porque, nos últimos dias, pude observar que as pessoas estão voltando a frequentá-los com força total. Ou seja, é assunto em pauta, e traz muitas questões. Pelo menos, para mim, trouxe.

Primeiro: se a casa pede que você faça reserva, faça! Não é questão de frescura, é a forma que eles encontraram para poder controlar o volume de pessoas e evitar aglomeração na porta – situação que tenho visto muito por aí. Mas ainda mais importante: se fizer a reserva, vá! Ou, se mudar de ideia, pelo menos avise com antecedência que gostaria de cancelar.

Antes mesmo da pandemia, reservar e não comparecer já era algo bem feio de se fazer. Agora, então, é completo desrespeito. Pense comigo: se os restaurantes podem ocupar apenas 40% do seu salão, uma mesa a menos que eles deixem de atender é um prejuízo enorme. Além do mais, eles se preparam para te receber, compraram insumos, pessoal etc… ou seja, um enorme prejuízo para uma turma que já está sofrendo horrores com esta crise.

Lá fora, já vemos muitos restaurantes que cobram uma taxa do cliente na hora da reserva. Existem casos, inclusive, que cobram o valor total da conta já nessa hora (em restaurantes que oferecem menu-degustação). Sei, porque já vi, que se isso começar a pegar por aqui, o pessoal vai fazer o maior escarcéu, falando que é um absurdo cobrar uma taxa de reserva. Então, da próxima vez que confirmar, apareça. Ou continue em casa. Afinal, a pandemia não acabou.

Tudo o que sabemos sobre:

CoronavírusQuarentenarestaurante

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: