‘Chatô – O Rei do Brasil’ está entre as estreias de cinema da semana
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘Chatô – O Rei do Brasil’ está entre as estreias de cinema da semana

Redação Divirta-se

19 de novembro de 2015 | 16h17

ESTREIAS

chatô - o rei do brasil, marco ricca

Foto: Divulgação.

Durante 20 anos, o ator e diretor Guilherme Fontes protagonizou o affair mais estranho do cinema brasileiro. Ele captou para fazer o filme Chatô, mas suas contas foram colocadas sob suspeita e o filme foi cassado pelo governo. Guilherme lutou pelo direito de concluir seu filme. Criou-se a lenda urbana.

‘Chatô’ existiria, de fato? Existe e é bom. Tem até condições de vir a ser um dos grandes filmes, não só brasileiros, do ano. Mas a estreia é pequena, 40 salas entre São Paulo e Rio, contra mil de ‘Jogos Vorazes’.

Em seu leito de morte, Assis Chateaubriand delira. Sua vida vira um julgamento público. Chatô criou um império midiático, mas não quis só reportar a história. Quis fazê-la. Chatô, Getúlio Vargas e a mulher de ambos, a fictícia Vivi de Andrea Beltrão. A estrutura de ‘Cidadão Kane’, de Orson Welles, vira samba-enredo. É o último grande filme tropicalista. Maravilhoso. Luiz Carlos Merten 

 

Havia filmes melhores na competição de Berlim, em fevereiro – como o excepcional ‘Botão de Pérola’, de Patricio Guzmán, que integrou a recente programação da Mostra. Mas os júris de festivais nunca sabem direito o que fazer com documentários, e menos ainda com documentários que se propõem como ensaios poéticos. E, como havia Taxi Teerã, a vitória sorriu para Jafar Panahi. Mesmo não sendo 100% merecida, não há como não respeitar a decisão do júri.

Refém no próprio Irã, Panahi desafia a decisão do governo, que cassou seu status de cineasta. Segue filmando. ‘Taxi Teerã’ é o melhor filme de sua fase atual. O próprio Panahi é ator. Faz motorista de táxi confrontado com representantes da sociedade iraniana. Boa parte do encanto vem da sua interlocução com a sobrinha. A menina é ótima. Fala de tudo, sobre tudo. Realidade, ficção? É arte, e boa. Luiz Carlos Merten

 

As Memórias de Marnie é mais uma fantasia do Studio Ghibli, a produtora de animação que ficou famosa por lançar os filmes de Hayao Miyazaki (‘Meu Amigo Totoro’), um de seus fundadores. No longa, Anna, uma solitária menina de 12 anos, torna-se grande amiga de Marnie, que vive em um castelo e guarda alguns segredos.

https://www.youtube.com/watch?v=mE4o2RMluyc

Menção honrosa na Mostra de Cinema de SP de 2014, A Ilha do Milharal acompanha a vida de um velho camponês (Ilyas Salman), que se muda com sua neta (Mariam Buturishvili) para uma ilha no rio Enguri. Limite geográfico entre a Geórgia e a Abkházia, o rio foi cenário de batalhas separatistas, o que aumenta a tensão no local.

 

OUTRAS ESTREIAS

Awake – A Vida de Yogananda
(Awake: The Life of Yogananda, EUA/2014, 87 min.) – Documentário. Dir. Paola di Florio e Lisa Leeman. A vida do indiano Paramahanda Yogananda, autor de ‘Autobiografia de um Iogue’. Livre. Bourbon – Espaço Itaú Pompeia, Cinearte, Cinesala, Espaço Itaú Augusta, Frei Caneca – Espaço Itaú.

Malala
(He Named Me Malala, EUA/2015, 87 min.) – Documentário. Dir. Davis Guggenheim. Sobre Malala Yousafzai, jovem paquistanesa, Nobel da Paz por sua defesa das mulheres em países islâmicos. 10 anos. Bourbon – Espaço Itaú Pompeia, Bristol, Caixa Belas Artes, Cidade Jardim, Frei Caneca – Espaço Itaú, Kinoplex Itaim.

Mistress America (leia resenha aqui)
(Mistress America, EUA/2015, 84 min.) – Comédia. Dir. Noah Baumbach. Com Greta Gerwig, Lola Kirke, Seth Barrish. Tracy, uma jovem aspirante a escritora, transforma-se ao conhecer Brooke, a excêntrica filha de seu futuro padrasto. 12 anos. Bristol, Caixa Belas Artes, Cinearte, Cinesala, Espaço Itaú Augusta, Reserva Cultural.

Ninguém Ama Ninguém… Por Mais de Dois Anos
(Brasil/2015, 87 min.) – Drama. Dir. Clovis Mello. Com Gabriela Duarte, Ernani Moraes, Marcelo Faria. Na tela, a intimidade de casais que vivem nas décadas de 1950 e 1960. Baseado na obra de Nelson Rodrigues. 14 anos. Anália Franco, Bourbon – Espaço Itaú Pompeia, Bristol, Central Plaza, Frei Caneca – Espaço Itaú, Iguatemi Alphaville, Jardim Sul, Metrô Itaquera, Metrô Santa Cruz, Reserva Cultural, Santana Parque, Villa Lobos.

Papéis ao Vento
(Papeles en el Viento, Argentina/201, 98 min.) – Comédia. Dir. Juan Taratuto. Com Paola Barrientos, Cacho Buenaventura, Cecilia Dopazo. Com a morte do amigo ‘El Mono’, Fernando, Mauricio e ‘O Russo’ tentam assegurar o futuro de sua filhinha. Decidem resgatar um investimento do morto, que havia comprado um jogador de futebol. Livre. Espaço Itaú Augusta.

Pauê – O Passo de um Vencedor
(Brasil/2015, 72 min.) – Documentário. Dir. Fabio Cappellinni e Alessandra Pereira. Documentário sobre o primeiro surfista com ambas as pernas amputadas: Paulo Eduardo Chieffi, o Pauê. 10 anos. Caixa Belas Artes.

Piadeiros
(Brasil/2015, 90 min.) – Documentário. Dir. Gustavo Rosa de Moura. Uma viagem pelas cinco regiões do Brasil em busca de ‘piadeiros’ não profissionais: pessoas que sabem contar bem piadas. 12 anos. Bourbon – Espaço Itaú Pompeia, Frei Caneca – Espaço Itaú, Interlagos.

Picasso e o Roubo da Mona Lisa
(La Banda Picasso, Espanha/2012, 101 min.) – Comédia. Dir. Fernando Colomo. Com Stanley Weber, Louise Monot, David Coburn. A história do roubo da Mona Lisa, em 1911, cometido por uma ‘gangue’ de artistas, que incluía o pintor Pablo Picasso e o escritor Guillaume Apollinaire. Na história real, Apollinaire e Picasso foram interrogados, mas nunca condenados. 12 anos. Caixa Belas Artes.

Confira o roteiro completo de cinema.