Caça aos ovos e outras brincadeiras lúdicas para movimentar a Páscoa 
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Caça aos ovos e outras brincadeiras lúdicas para movimentar a Páscoa 

Com o distanciamento social, grandes reuniões em família estão canceladas. Mas a caça aos ovos, e outras atividades continua garantidas, Siga as dicas e abuse da criatividade

Redação Divirta-se

10 de abril de 2020 | 05h05

Nathalia Molina
ESPECIAL PARA O ESTADO

Aos 49 anos, já comi muito chocolate melhor do que os ovos de Páscoa da minha infância. Mas o sabor de acordar no domingo e sair à caça pela casa ficou parado em algum momento no fim dos anos 1970.

Encontrar meus ovos dentro de vasos de cerâmica Marajoara ou atrás da estante de madeira maciça simbolizava a Páscoa para mim. Depois, era comer chocolate até não aguentar mais e participar de grandes reuniões nas casas das avós.

À espera. Enquanto o domingo não chega, Priscilla fez uvas banhadas em chocolate com a vizinha Laura

As famílias, no entanto, tiveram de cancelar os encontros deste domingo por causa do distanciamento social indicado no combate ao coronavírus. “Gosto muito da Páscoa, de juntar muita gente em casa. Mas, neste ano, não vamos poder estar todos”, diz Roberta Rosa Sales, que envolve a filha de 6 anos, Rafaella, nos preparativos. “Todo ano enfeito tudo. Agora vou tentar fazer uma reciclagem com o que tenho guardado de anos anteriores.”

Estela, de 5 anos, e Gabriel, de 11, também ajudam a mãe, Camila Munhoz, na decoração da casa para a Páscoa, com enfeites para a porta do apartamento e para a mesa de Páscoa. “Eu era pequena, mas me lembro que minha avó materna fazia um enfeite com papel de seda que ficava parecendo uma renda. Já pintei aquelas casquinhas de ovos. Todas essas coisas minha mãe fazia em casa. Eu acho curioso isso, meio que a gente revive a infância com os filhos”, diz.

Camila resolveu simplificar o cardápio de domingo já que sua mãe não estará com eles por causa do distanciamento social. “Vamos respeitar o que tem de respeitar agora e futuramente fazemos um almoço de Páscoa pós-data, com a família toda.”

Caça aos ovos

Nas duas casas, o cardápio e a decoração podem estar mais simples por causa do momento atual, mas um convidado tem passe livre. “Com a Rafaella, eu deixo a cestinha com uns biscoitinhos para o coelho”, diz Roberta. Como a família mora em uma casa, o tal coelhinho costuma deixar chocolate espalhado pelo gramado para a garota encontrar.

Atividade simples, a caça aos ovos diverte meninos e meninas há décadas. O velho “tá quente, tá frio” pode ser usado enquanto eles procuram os ovos escondidos pela casa. Para acrescentar emoção, os adultos podem criar desafios para que a criançada resolva um a um até chegar aos doces.

É o que propõem profissionais experientes em recreação infantil. Sócios da Impulsionando Arte – companhia especializada em musicalização, teatro e contação de história –, Karin Menezes e Lucas Paiva também fazem a brincadeira com os próprios filhos, Lorenzo, de 8 anos, e Théo, de 3. “A gente gosta de fazer a caça aos ovos com eles. Bota as pegadas e dá dicas para eles seguirem”, conta Karin.

Roberta e a filha Rafaella fazendo enfeites de Páscoa. Foto: George Mozart Silva

A arte-educadora Priscilla Credidio bolou uma caça aos ovos em quatro passos para Laura, de 5 anos, sua vizinha no litoral norte. “A Laurinha não sabe ler nem escrever. Então, vou mostrar fotos dando as pistas. Vamos supor que o primeiro coelhinho azul de papel esteja no banheiro. A foto vai dar ideia para ela do lugar onde está”, explica a proprietária da Start Arte, empresa com três unidades em São Paulo que organiza atividades lúdicas para crianças. “Depois, mostro uma foto da pista seguinte.”
Ao longo desta semana, Priscilla publicou, no Instagram @Start.Arte, o passo a passo para quem quiser reproduzir em casa essa caça, que termina com o encontro dos ovos de chocolate. Sabido, o coelhinho promete manter uma distância segura e usar máscara durante a visita.

Opções lúdicas para movimentar a Páscoa

Algumas atividades desta lista são mais simples; outras exigem acessórios como glitter. Quem tem filho pequeno, no entanto, pode ter alguns desses itens por causa de sobras de material escolar. Abuse da criatividade para fazer substituições. Não tem aqueles olhinhos que se mexem? Faça os do coelho recortando um papel branco e pintando o preto com canetinha. Com ou sem produção, o objetivo não é obter um visual esteticamente perfeito e, sim, passar um tempo relaxante com as crianças. O melhor resultado: uma Páscoa divertida em família.

Pegadas de EVA ou cartolina
Crianças pequenas costumam gostar de seguir as pegadas do coelho até os ovos. Espalhadas pela casa, servem como pista do caminho até o chocolate ou o presente, como Roberta Rosa Sales sempre fez com a filha Rafaella. As pegadas também viram enfeites na casa e podem ser feitas como parte da brincadeira, em família, usando EVA ou algum tipo de papel mais encorpado.
“A gente também faz as patinhas com cartolina simples e pinta com canetinha”, conta Roberta.

Pegadas de batata
Lucas Paiva, da Impulsionando Arte, criou a pegada de batata, que pode ser marcada no chão usando talco ou farinha. Para brincar com as crianças, uma alternativa é usar a batata como carimbo. “Tirei essa ideia para a Páscoa de uma oficina de camiseta. Você pode fazer a forma que quiser”, conta. O passo a passo é simples: basta esculpir a batata com uma faca – use um desenho como molde, se achar necessário. O trabalho, é claro, deve ser feito por um adulto. A criançada fica com a parte colorida da história, usando papel e tinta, o que pode render uma decoração espontânea para a Páscoa da família.

Pegada de coelho de batata. Foto: Yago Senciani

Boca de coelho
É uma versão pascal da boca do palhaço. Uma cartolina é recortada em formato de cabeça de coelho com a boca aberta, alvo dos arremessos de bolas de meia. Quem tiver uma caixa de papelão pode usá-la para fazer o corpo do bichinho. Caso contrário, “dá para pendurar a boca no varal”, sugere Paiva.

Símbolos da Páscoa
Em qualquer idade, é possível colorir desenhos de símbolos da Páscoa, como ovos e coelhinhos. Também dá para recortá-los em papel colorido. “A gente faz coisinhas de cartolina, de EVA, sem perder a essência da festa”, diz Camila Munhoz. “Traz um pouco do espírito de viver isso em família”, completa a mãe de Stela e Gabriel.

Coelhinho de papel
O astro da festa está em toda parte, em muitas formas. A mais simples, frequentemente feita por crianças na pré-escola, usa um rolinho de papel higiênico. Ele pode ser coberto com um papel decorado, para trazer cor e embelezar o enfeite. “Você corta o papel do tamanho do rolo, passa cola e cobre. Com o mesmo papel, faz duas tiras para as orelhinhas”, explica Paiva, que vem fazendo transmissões ao vivo, com dicas no Instagram @impulsionandoarte para famílias em quarentena. “Com uma canetinha, pinta os olhos, a boca e o nariz”, completa.

Coelhinho de toalha
O bichinho é feito com uma toalha de mão, recheada com algodão ou manta acrílica. Para criar o formato do corpo e da cabeça do coelho, uma fita é amarrada no meio do enchimento e um elástico vai no topo, marcando o ponto onde começam as orelhas, representadas pela sobra de pano que fica para o alto. Depois, é só desenhar o bigode na tolha, colar um lacinho de fita como gravatinha e grudar os olhos e o nariz – esse dois podem ser feitos de papel, se você não tiver aqueles olhinhos prontos que se mexem nem uma lantejoula para servir de focinho. Priscilla Credidio mostra o passo a passo em um vídeo do Instagram @start.arte.

Coelhinho de meia
Esse tem versão standard ou luxo. A mais fácil é bem parecida com o coelhinho de toalha, só que você enche uma meia branca com algodão ou manta acrílica – o resto do processo é igual. Já a avançada pede destreza, cola quente, feltro, fita e duas meias (uma para o corpo e outra para fazer o rabinho). Aqui, a montagem é ao contrário: a parte da meia onde vão os dedos serve de cabeça para o coelho. Depois de enchê-la com manta acrílica, amarre a fita no pescoço e cole um lacinho de feltro preto como gravata. Encha o restante do corpo antes de fechar embaixo. Use cola quente também para grudar as orelhas, feitas em feltro rosa e branco, um sobre o outro, para fazer o desenho.

Coelhinho de meia. Foto: Carol Gonzalez

Cartões personalizados
A garotada pode escrever cartões para o coelhinho e também para parentes e amigos. Quem não estiver por perto no domingo de Páscoa pode receber uma foto por celular ou e-mail do cartão personalizado feito pela criança.

Brigadeiro em família
Clássica receita brasileira, o brigadeiro é sucesso certo em casa com criança. Dependendo da idade, é uma ótima maneira de ensinar os primeiros passos na cozinha – sempre sob a supervisão de um adulto, claro. Se quiser sair do tradicional, há várias opções de receitas no site do Paladar. Depois de deixar o doce esfriar em um prato, todos juntos podem enrolar e passar no granulado. Não se esqueça de lavar muito bem as mãos antes da tarefa.

Pintura de casquinhas
As famílias que seguem a tradição de origem alemã separam casquinhas de ovos antes da Páscoa para pintá-las. Para isso, eles são quebrados na pontinha, com cuidado. Depois de lavadas com água e sabão, as casquinhas podem ser sustentadas por palitos de churrasquinho para que sejam pintadas – com crianças, pode ser usada tinta guache. Por fim, os pais enchem as casquinhas com guloseimas, antes de fechá-las com papel de seda e cola. No Instagram @tia_nate_buffet, Aline e Renate Trettin ensinam a técnica em um vídeo didático.

Decoração de ovos
Se a destreza necessária para manipular a frágil casquinha dos ovos for demais para você, vale fazer a brincadeira com eles cozidos. “Dependendo da faixa etária, a criança não vai conseguir manusear a casquinha sem quebrar. O ovo fica menos sensível cozido”, explica Karin Menezes, da Impulsionando Arte. Ela propõe, então, criar a decoração com o que a família tiver em casa. “A gente fez com canetinha, cola, purpurina. Depois da caça aos ovos de verdade, ensinamos as crianças a descascá-los.”

Tudo o que sabemos sobre:

páscoaCoronavíruscrianças

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: