Bar dos Arcos e Bar do Cofre ocupam o subsolo de prédios históricos no Centro de São Paulo
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Bar dos Arcos e Bar do Cofre ocupam o subsolo de prédios históricos no Centro de São Paulo

Humberto Abdo

07 de março de 2019 | 16h21

Com bons drinques e mesas disputadas, bares recém-inaugurados na cidade ocupam o subsolo de dois prédios históricos do Centro

Foto: Humberto Abdo/Estadão

+ Um dos objetivos do Bar dos Arcos, aberto em dezembro no subsolo do Teatro Municipal, é conquistar um posto na lista dos 50 melhores bares do mundo – meta indicada meses antes da inauguração pelo empresário Facundo Guerra, responsável pelo projeto. Enquanto isso não ocorre, sentar-se em um dos balcões luminosos dispostos pelos rústicos arcos de pedra já é, por si só, uma experiência digna de prêmio.

A começar pelos coquetéis, assinados pela argentina Chula Barmaid. Peça o ‘Tosca’ (R$ 35), feito com tequila, vinho branco, gengibre, limão taiti, soda de hibisco e raspas de laranja. Potente e com maior graduação alcoólica, o ‘La Traviata’ (R$ 47) é outra opção atraente, com gim, licor Strega, Chartreuse verde e bitter de apple pie.

Se quiser algo mais doce, o menu lista receitas como a do ‘Villa-Lobos’ (R$ 34), que leva cachaça, redução de pimentão amarelo, limão taiti, maracujá e espuma de grapefruit. Já o ‘Madame Butterfly’ (R$ 35) é descrito como uma boa opção para começar a noite, mais leve e preparado com saquê, Cynar, hortelã, suco de grapefruit e cerveja de gengibre da casa.

Para comer, as porções são diminutas, mas marcantes, como a tosta de berinjela levemente defumada com tomate-cereja assado, muçarela de búfala e brotos (R$ 32). Antes de ir embora, procure a piscina de bolinhas do bar, uma surpresa escondida bem ao lado do caixa.

ONDE: Pça. Ramos de Azevedo, s/nº, Centro.
QUANDO: 19h/1h (5ª e 6ª, 19h/2h; sáb., 19h/3h; fecha dom. e 2ª).
QUANTO: Cc.: todos. Cd.: todos. Inf.: www.instagram.com/bardosarcos

Bar do Cofre. Foto: Carol Gherardi/Flair Coletivo

+ “Pedimos o obséquio de não tocar na grade”, diz a antiga placa nas grades do Bar do Cofre, aberto em fevereiro no lugar que abrigou o cofre do Banco do Estado de São Paulo. Ao descer as escadas no térreo do Farol Santander, surgem portas circulares de aço, cada uma com 16 toneladas, pisos de mármore e balcões luminosos em duas das três salas. O espaço tombado é comandado pelo bartender Fabio La Pietra, do SubAstor – que, assim como a casa nova, tem clima de ‘speakeasy’, tipo de bar secreto comum durante a lei seca nos EUA.

Em homenagem ao ambiente tão bem escondido, o drinque ‘The Hidden’ (R$ 37) é o primeiro da carta, dividida por destilados como rum, cachaça e genever (variação de gim). A receita leva uísque, chá rooibos, vermute tinto e bitter, uma combinação doce e refrescante. À base de gim, o ‘Bijoux Caju’ (R$ 37) é servido em um simpático copo com formato de caju e leva vermute branco, falernum (xarope doce), limão taiti e mocororó.

Para os que gostam de rum, uma das combinações é a do ‘Queen of Ska’ (R$ 36), feito com rum jamaicano, Dry Curaçao, framboesa, limão-siciliano, bitter e angostura. De cachaça, tem o ‘Ordem e Prosecco’ (R$ 36) – “a forma errada de se fazer um negroni”, nas palavras de um dos bartenders –, preparado com espumante seco, Calvados (bebida à base de maçã), grapefruit e limão taiti.

Treze comidinhas compõem o menu, como o saboroso croquete de pupunha, queijo da Serra da Canastra e limão-siciliano (R$ 31, 8 unid.). Até abril, as reservas estão esgotadas. Portanto, a dica é chegar cedo para disputar um lugar no balcão.

ONDE: R. João Brícola, 24, Centro.
QUANDO: 17h/1h (fecha dom. a 4ª).
QUANTO: Cc.: todos. Cd.: todos. Inf.: www.subastor.com.br