Aniversários pandêmicos
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Aniversários pandêmicos

Redação Divirta-se

23 de abril de 2021 | 05h00

Rê Aprova

Toda semana, Renata Mesquita vai reprovar absurdos vistos por aí nessa nova rotina imposta pela pandemia    

É difícil de acreditar, ao mesmo tempo que, lá no fundo, eu meio que já sabia. Comemorei meu segundo aniversário na pandemia. Um “problema” pequeno perto de tanta coisa ruim que estamos vivendo. Mas, como a coluna é minha, eu posso resmungar do que eu quiser, não é mesmo?

Na verdade, apesar de gostar de comemorar o meu aniversário, não é pela impossibilidade de estar junto de quem eu amo que eu venho reclamar. Eu adoro estar perto da minha família e amigos, mas eu gostei, sim, dos meus aniversários em tempos de coronavírus. Eles foram serenos, introspectivos… o que, para mim, foi perfeito. Ambos caíram no fim de semana, o que em outros tempos despertaria uma expectativa (não minha) para fazer algo grande. Já reparou que existe toda uma pressão em dar festa?

O negócio vira mais sobre os outros do que sobre nós, e 99% das vezes se transforma numa dor de cabeça para o aniversariante. Já tentou marcar um bar onde caibam todos seus amigos, com comanda individual, com música, sem música, com cerveja de garrafa, não muito caro… ahh, mas pode ser só uma coisa pequena em casa. E quem vai arrumar a bagunça no dia seguinte? A aniversariante. Quem vai providenciar comes e bebes? A aniversariante… Sim, estou morrendo de saudades de uma boa festa – mas de ir em uma, não de oferecer.

O que quero dizer é: o saldo final dos meus aniversários pandêmicos foi mais positivo que negativo. Sei que nada disso vale de qualquer coisa no momento, mas talvez isso te ajude a não ficar “na bad” por aí. (Mãe, pai, amigos, eu amo vocês viu? No ano que vem, comemoramos com uma grande festa – que vocês vão organizar para mim.)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.