Ajudar é preciso
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Ajudar é preciso

Redação Divirta-se

11 de maio de 2020 | 03h00

Na capa da revista Marie Claire do México do mês de maio está a foto de uma enfermeira da linha de frente ao combate da covid-19 com a ótima chamada “os reais influenciadores”. Será que o mundo finalmente acordou? Tomara! Acredito que sairemos da quarentena melhores. O fato é: vamos parar de olhar apenas para a nossa agenda lotada de tarefas. Mais do que nunca, temos a chance e dever de deixar nossa existência com real sentido. Todo mundo ganha. Inclusive, nós mesmos.

Podemos ajudar de diversas formas: com pouco ou muito. E OK se for pouco: o importante é fazer – e começar o movimento. Vale doar tempo ou dinheiro. Os dois são importantes. Fiz uma listinha com alguma ideias.

A cachorrinha Ella foi adotada depois de um post no Facebook. Foto Cris Berger/Coluna Pet Friendly

Doe tempo
Muitas ONGs de proteção animal não têm uma conta de Instagram ou Facebook. Há plataformas gratuitas para criar sites que são fáceis de mexer. Que tal ajudar uma ONG a ter presença digital e divulgar seu trabalho? Se você tem conhecimento em administração ou gestão, doe seu conhecimento para pessoas e ONGs que têm o propósito de ajudar, mas têm pouca infraestrutura.

Eu reservei um dia por semana no Instagram do Guia Pet Friendly para postar sobre cães e gatos que estão para adoção. Nunca havia feito isso em cinco anos de conta, mas decidi ajudar. O Cozumel (meu cão que faleceu bem velhinho) e a Ellinha (minha sharpei, companheira de todas as horas) foram adotados através da internet, por um e-mail e uma mensagem do Facebook. Ou seja, baseado em fatos reais, isso funciona! Uma simples postagem compartilhada pode mudar a vida de um animal abandonado. E a sua, é claro.

Já pensou em fazer um bazar online? Pegar aquela calça que não serve mais e está ali parada, as louças que ficam guardadas no alto da prateleira e nunca são utilizadas e os livros já lidos acumulando poeira. Depois de fazer a curadoria, organize uma venda online (entre amigos , para a dinâmica ser mais fácil da entrega ao pagamento). Deposite o valor arrecadado na conta de uma ONG.

Doe um valor
Já pensou em apadrinhar um cão ou um gato? Todo mês, deposite um valor para custear o atendimento que as ONGs dão para ele. Pode ser um valor pequeno (R$ 10, R$ 20, R$ 30 reais) ou o montante total, que costuma ser em torno de R$ 500 considerando alimento, veterinário, higiene e abrigo, segundo a ONG Alia. Quando você está fazendo compras para o seu pet por um e-commerce, que tal acrescentar produtos no carrinho e pedir para entregar em uma ONG?

Sei que é o clichê dos clichês, mas cada um fazendo um pouco, chegaremos no muito. É pura matemática e amor.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: