CCBB e CineSesc recebem retrospectiva completa de Godard
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

CCBB e CineSesc recebem retrospectiva completa de Godard

Redação Divirta-se

15 Outubro 2015 | 18h08

Jean-Luc Godard. Foto: Christian Hartmann/Reuters

Jean-Luc Godard. Foto: Christian Hartmann/Reuters

Talvez mais uma mostra de Godard não fosse novidade. Mas esta é especial. Jean-Luc Cinéma Godard promete exibir, ao longo de 43 dias, de quarta (21) a 2 de dezembro, simplesmente uma integral da obra do cineasta, o mais inventivo membro da nouvelle vague francesa. São 125 obras vindas da França, entre longas, médias e curtas-metragens. Não inclui apenas cinema: também chegam filmes publicitários, vídeo cartas e séries televisivas.

Um Godard completo. O que significa isso para o aficionado? Simplesmente conhecer, ou reencontrar, a obra de um dos mais importantes artistas do século 20 e que avança, século 21 adentro, dando provas do seu radicalismo, invenção e espírito crítico. Esse “jovem” completa 85 anos de idade dia 3 de dezembro e, há pouco, lançou sua primeira obra em 3D, ‘Adeus à Linguagem’.

Acompanhar essa trajetória, desde o começo até esses desenvolvimentos recentes, é nada menos que fascinante. Como se sabe, a nouvelle vague, que renovou a cinematografia francesa e também influenciou a de todo o mundo, foi feita por um grupo de amigos – Claude Chabrol, Jacques Rivette, Éric Rohmer, François Truffaut e ele, Godard. A partir dessa origem comum, cada um deles tomou um caminho estético diferente. Godard foi o único a manter vivo o ideal da inovação.

A partir do seu primeiro longa-metragem, ‘Acossado’ (1959), fez a linguagem do cinema avançar. Tudo está aí na mostra, dos primeiros filmes à fase radicalmente política. De momentos sublimes como ‘Viver a Vida’ ao atual, em que transforma o filme numa espécie de tela de reflexão sobre a existência, a sociedade, a arte e, claro, o próprio cinema. Godard é mais que fundamental – é incontornável. Luiz Zanin Oricchio

Serviço: Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB). R. Álvares Penteado, 112, Centro, metrô São Bento, 3113-3651.  4ª (21) a 30/11. R$ 4. Inf.: oesta.do/div_godar

Serviço: CineSesc. R. Augusta, 2.075, Cerqueira César, 3087-0500. 26/11 a 2/12. R$ 12. Inf.: oesta.do/div_CineSesc

 

A seguir, confira alguns destaques da programação da mostra.

 

 

godard mostra acossado são paulo ccbb

Foto: Divulgação.

Acossado (1959). Indispensável conhecer o primeiro longa de Godard. Nele, o marginal Michel (Jean-Paul Belmondo) se envolve com a estudante Patricia (Jean Seberg). O amor bandido é narrado de maneira original, com desfecho inesperado. Talvez um dos filmes mais influentes do cinema moderno. CCBB: 2/11, 19h30. CineSesc: 29/11, 21h.

 

viver a vida vivre sa vie godard ccbb mostra

Foto: Divulgação.

Viver a Vida (1962). Um dos trabalhos em que Godard atinge o sublime. Nana (Anna Karina) é uma vendedora de discos que tenta ser atriz, mas acaba por se prostituir. O olhar meigo de
Karina, então mulher de Godard, fornece alguns dos planos mais tristes da história do cinema.  CCBB: 5/11, 17h; 8/11, 19h30. CineSesc: 1º/12, 21h.

 

le mépris godard ccbb mostra

Foto: Divulgação.

O Desprezo (1963). É um de seus mais deslumbrantes filmes. Brigitte Bardot, no ápice da beleza, contracena com Michel Piccoli. São marido e mulher numa trama sinuosa, filmada na ilha de Capri, em que o amor cede vez ao seu contrário, a frieza. E ao desprezo, como diz o título. CCBB: 5/11, 19h; 8/11, 15h. CineSesc: 27/11, 19h.

 

a chinesa la chinoise godard mostra ccbb

Foto: Divulgação.

A Chinesa (1967). Estudantes usam apartamento para criar uma célula maoista. Discussões políticas, encenações teatrais e brigas compõem o quadro efervescente das disputas ideológicas dos anos 1960. Feito em 1967, o filme antecipa a rebelião estudantil do ano seguinte, o Maio de 1968. CCBB: 12/11, 19h; 16/11, 19h. CineSesc: 2/12, 19h.

Vento do Leste (1970). Um filme-ensaio da época mais engajada do diretor. Nele, são discutidos os caminhos possíveis do cinema revolucionário e da alternativa socialista. Glauber Rocha participa de uma das sequências do filme, encenando a encruzilhada do cinema no então chamado Terceiro Mundo. CBB: 15/11, 19h.

História(s) do Cinema (1988-1998). Godard levou dez anos para completar essa obra de sua fase madura. Ao longo de 266 minutos, apresenta um olhar original e agudo sobre o cinema. Não espere uma história convencional, mas o filme é fascinante. CCBB: 5ª (22), 19h; 27/11, 13h, 15h e 17h.CineSesc: 28/11, 15h; 29/11, 15h; 30/11, 15h.

Mais conteúdo sobre:

CCBBCinesescgodardmostra