1ª Jornada do Patrimônio abre espaços históricos com programação especial
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

1ª Jornada do Patrimônio abre espaços históricos com programação especial

Celso Filho

10 de dezembro de 2015 | 16h51

Na 1ª Jornada do Patrimônio, imóveis históricos, muitos deles geralmente fechados ao público, estarão abertos com programação especial

Neste sábado (12) e domingo (13), mais de 80 imóveis históricos da cidade abrirão suas portas para a população na 1ª edição da Jornada do Patrimônio. Organizada pela Prefeitura, a maratona foi inspirada em eventos como o ‘Open House’, de Nova York.

Além das visitas aos prédios, a programação gratuita inclui roteiros temáticos e uma agenda de atrações culturais para adultos e crianças. Também é possível baixar um audioguia pelo site http://bit.ly/exciateatro e fazer seu roteiro sozinho. A seguir, destacamos dez importantes imóveis que estarão abertos, além de outros destaques da agenda. Programe-se pelo http://bit.ly/jpatrimonio.

+ Em processo de revitalização, a Vila Itororó foi construída entre 1916 e 1922, pelo imigrante português Francisco de Castro. O espaço possui 37 casas e um emblemático palacete, com uma piscina (ela foi a primeira particular de São Paulo). R. Pedroso, 238, Bela Vista. Sáb. (12) e dom. (13), 12h/17h.

+ Atualmente, a Sala do Conservatório faz parte da Praça das Artes, mantida pela Fundação Theatro Municipal. Ela foi construída em 1895, com um projeto de Guilherme Von Eye para ser a sede do Conservatório Dramático e Musical. Av. São João, 281, Centro. Sáb. (12) e dom. (13), 11h, 12h, 14h e 15h.

+ Na pintura ‘Independência ou Morte’, de Pedro Américo, é retratada uma casa aos fundos. Acredita-se que seja a Casa do Grito, que justamente ganhou o nome por causa de Dom Pedro I. Hoje, ela faz parte do Parque da Independência. Pça. do Monumento, s/nº, Ipiranga. Sáb. (12) e dom. (13), 9h/17h.

+ Cenário do misterioso assassinato de três membros da família Reis, em 1937, o Castelinho da Rua Apa esteve abandonado há anos. Agora, finalmente passará por um processo de restauração. A construção da década de 1910 sediará o Clube das Mães do Brasil. R. Apa, 236, S. Cecília. Dom. (13), 10h/17h.

+ O atual endereço do Drosophyla também possui história. No casarão do começo do século 20, residiu Madame Lili. A artista chinesa era figura proeminente da boemia paulistana e sua residência, em estilo cottage, um ponto de encontro da classe artística da época. R. Nestor Pestana, 163, Centro. Dom. (13), 11h/17h.

+ Felisberto Ranzini trabalhou no escritório do arquiteto Ramos de Azevedo. Em 1924, ele projetou sua residência particular na Liberdade, a Casa Ranzini. Por mais de 80 anos, a família ocupou o casarão de estilo florentino, o que o manteve muito bem conservado. R. Santa Luzia, 31, Liberdade. Sáb. (12) e dom. (13), 10h/17h.

+ Também na Liberdade, a Capela dos Aflitos fica em um pequeno beco e é cercada de mistérios e mitos de assombrações. Sua criação remonta a 1774, com a construção do primeiro cemitério público de São Paulo. Atualmente, apenas a igrejinha sobrou no local. R. dos Aflitos, 70, Liberdade. Sáb. (12) e dom. (13), 10h/16h.

+ Em uma esquina do Centro Histórico, o Palacete Teresa Toledo Lara, de 1910, recebeu este nome em homenagem à filha de seu primeiro dono, o conde Antônio de Toledo Lara. Projetado pelo alemão Augusto Fried, o local já foi a sede da Rádio Record. R. Quintino Bocaíuva, 22, Centro. Sáb. (12), 9h/16h.

+ Construído em 1905, o prédio do Ponto Chic hospedou o bordel da Madame Fifi e foi, durante anos, ponto de encontro da boemia na cidade. O bar, inaugurado na Semana de Arte Moderna, de 1922, também é famoso por ter criado o sanduíche Bauru, na década de 1930. Lgo. do Paissandu, 27. Sáb. (12) e dom. (13), 11h/20h.

+ Construído no final do século 19, o Cama e Café São Paulo é um dos antigos casarões próximos ao Solar da Marquesa, na região central. Passou por uma reforma recentemente e, atualmente, abriga um restaurante e apresentações de música e teatro. R. Roberto Simonsen, 79, Centro. Sáb. (12), 11h/2h; dom. (13), 10h/18h.

ROTEIROS

Além dos edifícios e residências abertas para a visitação, a jornada também possui uma programação com roteiros e passeios para conhecer ruas e bairros históricos da cidade

+ Pelo menos três roteiros contam a história de Higienópolis. Em um deles, é possível fazer um tour pelo casarão do barão do café Leôncio de Magalhães, que atualmente pertence ao Shopping Pátio Higienópolis. R. Dr. Veiga Filho, 133, Higienópolis, 3289-2699. Sáb. (12) e dom. (13), 9h. Inscrições por telefone.

CASARÃO HIGIENÓPOLIS - SÃO PAULO - 22/10/2010 - CIDADES/OE

Foto: Eduardo Nicolau/Estadão

+ No roteiro São Paulo de Ramos de Azevedo, o público visita a obra de um dos mais famosos arquitetos da cidade. A partir do Sesc Carmo, o passeio mostra algumas de suas emblemáticas obras na região central, como o Theatro Municipal e o Mercado Municipal. R. do Carmo, 147, Sé. Sáb. (12), 9h. Inscrições no Sesc Carmo.

+ Na Ditadura Militar, o Cemitério de Perus foi utilizado para sepultar os mortos pelo regime. No passeio Ossadas de Perus – Da Ditadura à Memória na Periferia, o público é apresentado à história do local e da violência. Estação da Luz (ponto de encontro). Sáb. (12), 9h. Inscrições: roteirojaraguaperus@gmail.com.

+ Abordando a cultura negra no País, o roteiro Bixiga, Território Negro passa por ruas do bairro que foram homenageadas com nomes importantes para a história da população afrodescendente. O ponto de partida é a Casa de Dona Yayá. Para participar, é preciso se inscrever 15 minutos antes no local.
R. Major Diogo, 363. Sáb. (13), 15h.

+ O Instituto Butantan terá sua história recontada no roteiro Raízes do Butantan. No passeio, é apresentado não somente o prédio principal do instituto como também as famosas árvores que caracterizam o local. Av. Vital Brasil, 1.500, Butantã, 2627-9300. Dom. (13), 11h. Inscrições no local.

OUTRAS ATRAÇÕES

A jornada abrirá patrimônios da cidade não somente para a visitação do público. Os espaços também recebem várias atrações, como espetáculos, shows e atividades infantis

+ No Estádio do Pacaembu, adultos e crianças são convidados a assistir à divertida partida Futebol de Palhaços. Disputando o ‘troféu marmelada’, 30 palhaços jogam com uma bola gigante e os pênaltis são decididos em cima de um trampolim. Pça. Charles Miller, s/nº, Pacaembu. Dom. (13), 16h30.

DSC4405, Memória da amnésia, André Turazzi

Foto: André Turazzi/divulgação

+ Na mostra Memória da Amnésia, a curadora Giselle Begueilman mapeou e recuperou 60 monumentos da cidade que estavam guardados. Agora, ela os expõe no Arquivo Histórico de São Paulo. Pça. Cel. Fernando Prestes, 152, Bom Retiro. 10h/17h (fecha dom.). Inauguração: sáb. (12), 11h. Grátis. Até 25/2/2016.

+ Para as crianças, o Bloco das Emílias e Viscondes relembra os personagens do ‘Sítio do Picapau Amarelo’ em um animado cortejo carnavalesco. O encontro não poderia deixar de ser na Biblioteca Infantojuvenil Monteiro Lobato, no domingo (13). Pça. do Rotary, s/nº, V. Buarque. Dom. (13), 11h.

+ Do Grupo XIX de Teatro, o espetáculo Hysteria traz um grupo de mulheres que foram consideradas loucas por não aceitarem os padrões machistas da sociedade. A peça, dirigida por Luiz Fernando Marques, volta a ser montada neste sábado (12), no Tribunal de Justiça de São Paulo. Pça. da Sé, s/nº. Sáb. (12), 16h.

+ A atriz e cantora Virgínia Rosa chegou a gravar um disco interpretando canções da ‘guerreira’ Clara Nunes. Agora, ela volta a homenagear a intérprete mineira, morta em 1983, em um show especial, neste sábado (12), no Teatro Popular João Caetano. R. Borges Lagoa, 650, V. Clementino, 5573-3774. Sáb. (12), 21h.

Tudo o que sabemos sobre:

Jornada do Patrimônio

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: