A caligrafia, mais perto do coração

A caligrafia, mais perto do coração

Sonia Racy

01 de setembro de 2019 | 00h46

FABIO MACA. FOTO: IARA MORSELLI/ ESTADÃO

Depois de anos trabalhando como diretor de arte no mercado publicitário, Fabio Maca decidiu transformar um antigo hobby – a caligrafia – em profissão. Para o artista, toda mão tem seu saber e usar esse conhecimento é uma forma de resgatar a escrita a mão, o trabalho manual, uma comunicação menos digital e um olhar direcionado para a memória e para os afetos. Tanto assim que, para além dos trabalhos que realiza para campanhas de marcas e produtos, tatuagens e quadros, Fabio – que além de calígrafo também escreve poemas – tem se dedicado a ministrar workshops sobre como escrever cartas de amor. “A minha inspiração vem de dois lugares lugares diferentes. Um é a mão, que segue seu próprio circuito. O outro é o coração, pois é ele que sente”, explica .

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: