Voar é preciso

Voar é preciso

Sonia Racy

23 de outubro de 2013 | 01h11

Foto: Arquivo pessoal

O suíço André Borschberg, cofundador da Solar Impulse e piloto, acaba de cruzar os EUA no primeiro avião 100% movido a energia solar. Agora se preparando para dar a volta ao mundo, o empresário, que está no Brasil a convite da Solvay, falou à coluna.

Qual o investimento até agora no projeto?

Cerca de US$ 160 milhões ao longo de 12 anos, o que inclui a construção de dois aviões e o salário de uma equipe de 80  pessoas.

Quando teremos uma aeronave comercial usando energia solar?

Com a criação da empresa Solar Impulse, estamos no início da aviação limpa. Nosso principal objetivo não é revolucionar o mercado, mas mudar o modo como as pessoas veem a energia e as tecnologias limpas.

O avião solar é mais silencioso do que o convencional?

Mal dá para ouvir os quatro motores elétricos. E o conceito de temporalidade é diferente: você pode voar para sempre!

Há empresas de aviação participando desse projeto?

Das mais de 80 empresas parceiras, duas vêm do campo da aviação. São nossa âncora neste mundo./DANIEL JAPIASSU

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: