Vice-versa

Sonia Racy

06 de novembro de 2014 | 01h10

Um dia depois de o Executivo italiano defender a extradição ou o julgamento de Henrique Pizzolato, dia 27, a Corte de Bolonha decidiu não extraditar e, sim, soltar o ex-diretor do BB – sob a alegação de que as condições das prisões brasileiras não seriam adequadas.

A descoberta, do jornalista do Estado Jamil Chade, faz cair por terra a visão de que o governo italiano, que mantinha silêncio até agora – alegando se tratar de um assunto de Justiça –, pensa como o tribunal de Bolonha.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.