Versão inédita

Sonia Racy

24 de outubro de 2013 | 01h06

Fontes do mercado de telefonia culpam a Lei do Cabo, que vigorou de 2004 a 2012, pela difícil situação financeira da Oi – que acaba de se unir à Portugal Telecom, permanecendo como majoritária.

Ela teria permitido que a NET/Embratel nadasse de braçada na telefonia fixa. As empresas de Carlos Slim foram autorizadas a oferecer pacotes que incluíam linha fixa, imagem e banda larga. E o inverso não foi verdadeiro.

Versão 2

O reflexo dessa política pode ser constatado no relatório, de 84 páginas, feito recentemente pelo Goldman Sachs.

Em dez anos, a participação da Oi em telefonia fixa caiu de 39% para 20%; a da Vivo, de 36% para 26%; e a da Embratel/Net subiu de 17% para 32%.

A lei foi revogada. Mas, segundo se apurou, é difícil reverter a dianteira tomada pela dupla.

Versão 3

A quem interessar: a Oi depositou R$ 12 bilhões em juízo para contestar, entre outras, multas da Anatel. O dobro do que investe anualmente.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: