União estável cresce 14% em 2021, comprovação de vínculo com falecido é principal motivo

União estável cresce 14% em 2021, comprovação de vínculo com falecido é principal motivo

Sonia Racy

30 de setembro de 2021 | 00h00

Um contrato de relacionamento pode envolver coparentalidade, união estável, namoro ou casamento Foto: Freepik

Os registros de união estável cresceram 14% nos oito primeiros meses de 2021 em relação ao mesmo período de 2020.

Segundo o Colégio Notarial do Brasil, que fez o levantamento, entre os motivos está a necessidade de comprovação da relação de convivência para ser incluído como dependente do segurado no INSS que faleceu – com números impulsionados pelo aumento de óbitos na pandemia.

A fila de espera no INSS, que pode durar 40 dias para concessão de benefícios, passou de 1,8 milhão de pedidos. E 25% dos casos estão travados por falta de documentação completa.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.