Ultimato

Sonia Racy

09 de maio de 2014 | 01h09

Para obrigar o partido em todo o Estado a trabalhar pela campanha de Paulo Skaf, o PMDB acaba de baixar norma: onde ele não obtiver pelo menos 10% de votação, promete intervenção na executiva. Ou seja, a direção será destituída.

E, embora tenha declarado publicamente apoio a Skaf, o peemedebista Marcelo Barbieri, prefeito de Araraquara, trabalha nos bastidores para desmobilizar o interior em torno da candidatura do presidente da Fiesp. Em nome da reeleição de Alckmin.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: