TSE corre contra o tempo e o dinheiro curto

Sonia Racy

17 de maio de 2016 | 01h07

Em tempos de impeachment, e com orçamento de 2016 cortado em 35%, o TSE faz suas contas: tem 138 dias para organizar as eleições municipais, que envolverão 580 mil candidatos em 5.568 cidades do País.

E uma das ideias, levada aos 27 TREs estaduais na sexta-feira, é fazer uma licitação geral, nacional, para compra de mais equipamentos de transmissão de dados. Até agora, cada tribunal cuidava de sua vida.

Esse alinhamento, diz um técnico do TSE, ganha tempo, economiza, melhora as apurações e ajuda os Estados mais distantes, que nessas horas sempre pagam mais pelo mesmo material.

TSE corre 2

Um técnico da área chegou a brincar: com um terço a menos de recursos, “outra saída seria cancelar as eleições em um terço das cidades”.