Presidenciáveis e executivos, um jantar sem discordâncias

Presidenciáveis e executivos, um jantar sem discordâncias

Sonia Racy

01 Agosto 2018 | 01h00

GERALDO ALCKMIN. FOTO ESTADÃO

Em jantar para 250 pessoas, anteontem, na Casa Fasano, o Centro de Lideranças Públicas – criado há dez anos com intuito de formar lideranças – convidou presidenciáveis para os festejos de sua década de existência. Quatro deles aceitaram – Geraldo Alckmin, Marina Silva, Henrique Meirelles e João Amoêdo.

Marina, entretanto, avisou na própria segunda que teria que estar às 22 hs de ontem na GloboNews e estava difícil arrumar passagem de volta.

Poucas 
discordâncias…

Os três responderam às mesmas perguntas e não houve, nas respostas, discordâncias relevantes. Na opinião de alguns presentes, Alckmin melhorou muito o seu discurso, conquistando boa parte da Avenida Faria Lima. “Continuo achando que Alckmin é um mau candidato mas aumentou minha certeza de que ele pode ser bom presidente”, disse conhecido banqueiro.

Dica: teve gente, na sala, que participou de eventos recentes protagonizados pelo ex-governador. Sugerem a Alckmin evitar repetir episódio engraçado de sua eleição em Pindamonhagaba.

…algumas
críticas…

Na outra mão, Henrique Meirelles foi criticado. Muitos não entenderam sua autoconfiança e tampouco suas opções como a comparação entre Brasil e Cingapura. “Poderia ter ficado no governo Temer e ajudado na aprovação da Previdência”, criticou um empresário. Curiosidade: integrante da iniciativa privada, ao apresentar a Meirelles sua mulher, chamou-o de “presidenciável”. O ex-ministro de Temer, com um sorriso, corrigiu: “Presidente”.

…e a importância
de ter apoios

Amoêdo, estreante na política, estava no seu habitat natural. Foi considerado bem preparado e impressionou por sua versatilidade e coerência. Mas existe a consciência, na iniciativa privada, de que “a construção de ideias sem apoio parlamentar não leva a nada”, avisa executivo do setor financeiro.

O preço do jantar foi de R$ 5 mil por pessoa – contribuição para o CPL.

Leia mais notas da coluna:

Renova cria ‘Tinder’ para eleitor encontrar candidato

Morre Hélio Bicudo, autor do impeachment de Dilma, aos 96 anos