Trem bala apita na curva

admin

15 de abril de 2009 | 08h19

O País começa hoje, na prática, a conhecer o caminho das pedras, ops, dos trilhos do trem-bala. Sob comando de Dilma Rousseff, acontece a primeira reunião de discussão do documento preparado pela consultoria britânica Halcrow, que avalia o projeto em US$ 11 bilhões. As primeiras conclusões, devidamente mastigadas, serão divulgadas até o fim do mês.

Em tempos de crise, um gasto desse tamanho? É, o projeto pode ser interpretado como sonho de país subdesenvolvido. Afinal, pelo que se apurou, há sistemas de trens mais lentos mas muito mais baratos, como o que liga Nova York a Washington. Ele anda a 250 km por hora, dois terços de velocidade do trem-bala, mas com custo 50% menor.

Detalhe: o “nosso” trem-bala não poderá ser usado para transporte de carga.

Veja também:
mais imagens A Praça Roosevelt ganha mais um espaço: a Cia. da Revista inaugura a sede do Miniteatro, comandado por Marília Toledo e Kleber Montanheiro
mais imagens Centro de Tradições Judaicas celebra o Sêder de Pessach, o tradicional jantar que relembra o êxodo e a libertação do povo de Israel
documentoOutras notas no blog da coluna Direto da Fonte

Tendências: