Toque de classe

Toque de classe

Sonia Racy

01 de setembro de 2012 | 01h00

BIlly Farrell

Carine Roitfeld, ex-diretora da Vogue Paris, chega a São Paulo para lançar seu livro Irreverent, na Livraria da Vila do Shopping Cidade Jardim, segunda-feira. Depois, será homenageada com jantar na casa de Mariana e Zeco Auriemo, responsáveis por sua vinda. Traz, a tiracolo, o filho Vladimir Restoin Roitfeld, marchand e curador, que apresentará obras do francês Nicolas Pol, nos jardins do shopping.

A seguir, trechos de sua conversa com a coluna.

Muitos dos mais prestigiados estilistas e fotógrafos de moda, como Karl Lagerfeld, Tom Ford e Mario Testino, são fascinados por você. Qual a razão?

Você devia perguntar a eles! Mas acredito que seja pelo meu senso de humor (risos).

Você revolucionou a forma como a moda é abordada. Ao introduzir uma sexualidade mais aberta, gerou o que foi então denominado ‘erotic chic’. Os padrões estéticos que criou continuam vigentes. Como vê, hoje, o modo como a moda é apresentada?

Acho que, atualmente, ninguém assume mais riscos. Todos preferem ficar em zonas de segurança, nas quais ninguém ousa um ponto de vista mais pessoal.

Sua influência no trabalho de muitos editores e stylists é evidente. Isso te deixa orgulhosa?

Isso me faz sentir velha!

O que sabe da moda brasileira? Das publicações, sites e blogs de moda? Dos profissionais no País?

Minha primeira descoberta da moda brasileira foi quando trabalhei com a Zoomp, uma marca de jeans, com Gisele (Bündchen) e Mario Testino. Logo constatei que tudo no Brasil gira em torno da linguagem corporal – o que acho maravilhoso.

Você é considerada uma das mulheres mais bem vestidas do mundo. Quem é que seu estilista preferido?

No momento, Rick Owens.

Costuma usar jeans?

Simplesmente adoro jeans clássicos. No verão, meu modelo preferido foi um par de jeans roxos da Ksubi.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.