Toma que…

Sonia Racy

23 de maio de 2014 | 01h08

A crise financeira na USP, Unesp e Unicamp – todas custeadas pelo Estado – não é falta de dinheiro. E, sim, segundo Andrea Calabi, secretário da Fazenda, a administração desses recursos. “Elas têm autonomia total para gerir o que repassamos e, às vezes, erram na gestão.”

Contas feitas, Calabi calcula: a arrecadação nominal (sem descontar a inflação) do ICMS de 2007 a 2013 cresceu 83%. Portanto, a parcela de 9,57% do imposto, recebida pelas três instituições, cresceu na mesma proporção. “Elas receberam R$ 8,3 bilhões no ano passado. A USP, sozinha, R$ 4,4 bilhões”, soma.

…o filho é teu

O secretário diz ainda: “É sempre mais fácil pedir uma quantia adicional do que resolver o problema”.

Este deverá ser o tom da manifestação oficial do governo Alckmin sobre o imbróglio.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: