Tiroteio

Sonia Racy

17 de abril de 2015 | 01h10

Marta Suplicy acusa a Prefeitura de “perseguição política rasteira” e “ato administrativo truculento” ao “afastar” Selma Alexandre da coordenação do CEU Parelheiros.

A senadora – candidata certa à Prefeitura na eleição de 2016 – tinha visita agendada ao local, sexta passada, para falar da implementação de um centro cultural, na região, com suas verbas parlamentares. Dois dias antes, porém, soube que o encontro foi cancelado porque Selma teria saído de licença médica.

Lideranças locais viram, no episódio, motivos políticos “por determinação da própria Prefeitura”, para impedir o contato de Marta com os moradores.

Tiroteio 2

“Selma está sendo punida por ter me procurado. O prefeito deve explicações”, reagiu a senadora.

Procurada, a Prefeitura afirma, por meio da assessoria, que Selma não foi afastada e que considera “grave” o fato de Marta não ter comunicado a Haddad que queria discutir uma emenda para implementar o centro cultural.

E avisa: “Se tivesse comunicado, o prefeito faria questão de acompanhá-la. Afinal seria a primeira ação da senadora em benefício da cidade”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: