Tira e põe

Sonia Racy

21 de junho de 2012 | 01h09

O fluxo de gente querendo participar da obra de Vik Muniz, na Rio+20, provocou um problema. Já no primeiro dia, o vazio da imagem da Baía de Guanabara (instalação gigante projetada no chão) foi preenchido pelos visitantes. Que levaram, conforme previsto, latas de alumino, garrafas PET e sacos plásticos, entre outros.

O que fez Muniz? “Esvaziei, para acolher quem está vindo ao longo da semana.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.