Termômetro 2

Redação

08 de novembro de 2008 | 06h00

Fraga, aliás, vê a era Obama de maneira positiva para o desenrolar da crise.
“Com a entrada de sangue novo, de gente que não tem compromissos já assumidos, fica mais fácil promover mudanças.”

É fato que a crise trombou de cara com o fim da era Bush e seus comprometimentos, dificultando tomada de decisões mais ousadas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.