Temer cede de novo na definição dos gastos, para aprovar a renegociação das dívidas estaduais

Sonia Racy

02 de agosto de 2016 | 18h12

E o governo Temer está cedendo, pela segunda vez no dia, no que se refere à lei de renegociação da dívida dos Estados, visando sua aprovação. Desta vez, a pressão é para incluir as carreiras do corpo executivo dos Estados entre as categorias cujos gastos com terceirização, indenizações, auxílios e despesas de exercícios anteriores serão retirados do cálculo da folha salarial. Assim, elas também ficarão fora da conta de gastos com pessoal, para efeito da Lei de Responsabilidade Fiscal.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, já havia autorizado, mais cedo, a inclusão de servidores das assembleias legislativas — além, claro, do Judiciário.

Tem gente que, prezando o ajuste fiscal, torce contra essa nova alteração.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: