Telona palestina

Telona palestina

Sonia Racy

13 de agosto de 2014 | 01h02

Samer Bisharat, ator palestino, está no Brasil para divulgar o filme Omar – que abre, hoje, a Mostra Mundo Árabe de Cinema, no Cinesesc, na Rua Augusta. O longa, indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro deste ano, é dirigido por Hany Abu-Assad – cineasta reconhecido por seu trabalho em Paradise Now.
Bisharat tem 18 anos e acabou de se formar no ensino médio. Mora na cidade de Nazaré, é de família cristã e quer estudar música nos Estados Unidos.
A seguir, os principais trechos da conversa, ontem.

Um dos assuntos abordados no filme é a traição de um palestino à sua causa. É tema recorrente na região?
Com certeza. Eu mesmo já vi diversos casos de traição. Em todos os lados, em Nazaré, na Palestina. É um bom tema para se discutir.

Qual a sua opinião sobre o atual conflito entre israelenses e palestinos em Gaza?
Eu sou contra a morte de inocentes. No mundo inteiro, não apenas em Gaza. Apoio a paz. É difícil fazer ações concretas, mas eu tento, faço meu melhor.

Há uma escola famosa, O Teatro da Liberdade, no campo de refugiados de Jenin, na Palestina. Acha que essas iniciativas são boas?
Sim. Um dos atores de Omar se formou lá. Conheço algumas pessoas que passaram pela escola e sempre vejo os atores formados trabalhando pelo mundo.

Quer seguir a carreira de ator ou estudar fora?
Estou filmando uma série de televisão agora. Depois, participo de um filme francês e quero muito estudar música em Berklee, nos EUA. Esse é meu grande sonho. Aprendi a tocar alaúde com 13, 14 anos, quando meu pai me disse que eu tinha de aprender a fazer algo da vida (risos).

Como foi sua seleção para fazer o longa?
Quando tinha 14 anos, fiz um papel em um curta-metragem dirigido por um primo. A diretora de casting de Omar assistiu, me chamou para o teste e passei.

Há uma cena no filme em que você imita Marlon Brando em O Poderoso Chefão.
Sim, estava brincando no set, fazendo imitações de Don Corleone, e os outros atores rindo bastante. O diretor me viu e pediu que eu repetisse na filmagem. Ficou muito engraçado.

/MARILIA NEUSTEIN

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.