Posição sobre pedaladas pode afetar indicação no BC

Sonia Racy

21 de junho de 2016 | 01h40

Tem gente tentando barrar a indicação de Isaac Menezes para a diretoria de relações institucionais do BC. Atestam de pés juntos que o atual procurador-geral do banco defendeu as pedaladas fiscais de Dilma, em entrevista em maio do ano passado.

Menezes, pelo que se apurou, participou de conversa com José Eduardo Cardozo, então na Justiça, e José Múcio Monteiro, da AGU. Mas enquanto estes dois rechaçaram veementemente a ideia das pedaladas, o procurador se limitou a explicar o que é uma operação de crédito à luz da regulação bancária.

Tecnicalidades 2

Menezes disse, então, que a Procuradoria-Geral do BC tem “a convicção jurídica de que não se trata de operação de crédito” e que “os contratos de serviços permitem às instituições financeiras decidir se realizam ou não os pagamentos dos benefícios se ainda não tiverem recebido os recursos correspondentes do Tesouro”.

Não foi marcada ainda a data para sabatina no Senado.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: