Teatro Bradesco

Redação

24 de outubro de 2009 | 10h42

Com direito a tapete vermelho e presença de muita gente da Cultura, a inauguração do Teatro Bradesco teve pompa de noite de Oscar.
Mesmo com três empresas à frente do evento – ou talvez por isso… – vários convidados gastaram uma hora inteira para pegar seu convite.

Algumas celebridades se impacientaram e outras deram bom exemplo. Fernando Meirelles, recém-chegado de Portugal, e Lenine, que veio para a Mostra de Cinema, aguardaram sua vez, na fila, com bom humor.

A cerimônia fugiu ao protocolo: a fala institucional foi substituída por uma criativa abertura, embora igualmente longa, em que Marco Nanini fez as honras da casa, seguido de Eva Wilma. Ana Botafogo e Ivaldo Bertazzo representando a dança. Depois Isaac Karabtchevsky falou em nome da música erudita e Gilberto Gil, da MPB.

Para finalizar, e com chave de ouro, Bibi Ferreira retomou a tradição de Molière e batizou o palco com três batidas de bengala, anunciando as cortinas abertas. A cereja do bolo chegou com os “abuelitos” do Café de Los Maestros. Que, com as vozes de Marisa Monte e Gustavo Santaolalla, conduziram a plateia ao seu papel: o de aplaudir com entusiasmo…

Por Marília Neustein

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: