Sushi com quibe

Sushi com quibe

Sonia Racy

27 de abril de 2013 | 01h09

Foto: Eduardo Rezende

Sabrina Sato recebeu a coluna bem à vontade (leia-se de calcinha e robe), enquanto se preparava para sua primeira sessão de fotos para a marca de lingerie Marcyn – clicada na suíte presidencial do Hotel Tivoli, em São Paulo.

Dias depois de Gerald Thomas levantar polêmica ao colocar a mão por baixo do vestido de Nicole Bahls, parceira de Sabrina no Pânico, a bela não se fez de rogada: achou graça do episódio.

A seguir, os melhores momentos da entrevista.

Qual sua opinião sobre a atitude de Gerald Thomas?

Aquilo foi uma brincadeira. Acho que ele queria ver se a Nicole era mulher mesmo (risos). As pessoas levam tudo muito a sério, sabe? Tem de ter mais senso de humor. O que aconteceu foi um fenômeno da internet. Se você jogar uma frase desta nossa entrevista no Twitter, por exemplo, o pessoal vai acabar interpretando do jeito que quiser. No caso da Nicole, as pessoas viram uma foto e tiraram suas próprias conclusões.

Já aconteceu algo parecido com você?

Comigo, não.

Você entrevistou o Marco Feliciano. O que acha das opiniões do deputado?

Respeito como cidadão, mas não concordo com ele.

Você namorou o deputado Fábio Faria por muito tempo e vivia circulando por Brasília. Como é sua relação com os políticos?

Ia para Brasília não por causa dele; eu cobria política para o Pânico. Minha relação com os políticos é estritamente profissional, não sou amiga deles.

Fofoca incomoda?

Não me meto em fofoca. Tento não sair em capa de revista com namorado, porque, com o Facebook e o Instagram, hoje em dia é difícil um relacionamento até para alguém anônimo. É tudo muito artificial. Quando eu gosto, cuido.

Como lida com o assédio?

Sempre lidei bem, tiro de letra. Melhor não se irritar.

Você nasceu em Penápolis, no interior de São Paulo. O que a Sabrina Sato de hoje em dia mantém dessas raízes?

Procuro continuar firme e forte com as minhas raízes. É delas que tiro minhas forças. Temos de valorizar a família. Moro e trabalho até hoje com minha irmã e meu irmão. E na minha mesa continua tendo tudo que eu comia em Penápolis, uma mistureba. Quem vai em casa não entende: tem desde macarrão até sushi e quibe. Não é nada chique.

Comendo assim, como faz para manter o corpo?

Atualmente, só tenho feito aula de muay thai. Mas faço exercício desde pequenininha, porque me deixa muito bem humorada. Assim como comer e beber também deixam (risos).

Você tem fama de bagunceira. É verdade?

Minha casa é de japonês, tudo amontoado.

A Sabrina na TV é uma personagem do Pânico ou aquela é você mesma?

Infelizmente, sou eu mesma (risos). São minhas qualidades e defeitos elevados.

É formada?

Não terminei nem a faculdade de Dança nem a de Jornalismo – para você ter uma ideia de como eu sou. Se juntar as duas, dá o tempo de um curso de Medicina. /SOFIA PATSCH

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.