Sobre as cidades

Sonia Racy

21 de setembro de 2012 | 01h00

A duas semanas do primeiro turno das eleições, a metrópole paulistana estará em debate no Auditório Ibirapuera. Dias 24 e 25 acontece o Arq.Futuro, encontro de arquitetos e urbanistas brasileiros e estrangeiros que discutirá os melhores caminhos para as grandes cidades. Alem de Thaddeus Pawlowski, do departamento de planejamento de NY, estarão em São Paulo Carlo Ratti, do MIT, Tod Williams e Billie Tsien (especialistas em espaços públicos), Alejandro Aravena (autor da meia-casa popular chilena), Angelo Bucci, Otávio Zarvos e Isay Weinfeld. A organizadora, Marisa Moreira Salles, da Beï, falou à coluna.

Os candidatos a prefeito de SP vão participar do evento?

Teremos uma mesa – segunda, no Insper – em que abordaremos os principais problemas de São Paulo com os três principais candidatos à Prefeitura.

São Paulo ainda tem solução?

Tem, sim. Está em uma encruzilhada, mas pode, com planejamento, investimento em mobilidade, qualidade de moradias e serviços, com convívio misto, se tornar a cidade em que gostaríamos de viver. Podemos seguir o caminho de Nova York, com administrações voltadas à reconstrução.

Uma mesa que chama a atenção é a de “habitação social”. O que significa essa expressão?

Hoje em dia, o que temos são guetos de ricos e guetos de pobres. Um apartheid, que não traz benefício a ninguém. Por isso, falamos em habitação social e propomos as zonas mistas, com a integração de moradia, trabalho e serviços para os diversos extratos sociais. Assim, a cidade se torna mais segura, pois está povoada dia e noite. Ganha-se em qualidade de vida também – as pessoas passam a andar mais, se exercitar, evitar o estresse do trânsito, trocar experiências. É muito mais saudável.

Cidades como SP se tornaram vítimas da indústria do automóvel?

Acho que o grande luxo da vida não está no pobre ter carro, mas, sim, no rico andar de transporte público. No dia em que a gente puder conquistar SP a pé ou de ônibus e metrô, com conforto e segurança… aí teremos uma cidade de verdade. /DANIEL JAPIASSU

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.