Sobre a cor da pele

Sobre a cor da pele

Sonia Racy

19 Março 2015 | 01h20

Foto: Fernando Pinheiro

Karen Buglisi,presidente mundial da M.A.C, está no Brasil para comemorar a parceria da marca com Julia Petit. Antes da festa, anteontem, no Edifício Viadutos, em SP, a executiva conversou com a coluna, no Hotel Fasano. Entre outras, acredita que o momento econômico do País não vai atrapalhar as vendas da grife.

Qual é a relevância do Brasil para os negócios da M.A.C?
O País está no nosso top 10 entre os mercados mundiais. Temos um casamento brilhante desde 2002, quando abrimos nossa primeira loja por aqui. As brasileiras entendem e representam nossa filosofia muito bem, por isso queremos expandir cada vez mais nossa presença no Brasil.

Como será isso?
Até o fim do ano, pretendemos ter 53 lojas no Brasil – hoje são 45. Temos deixado de nos concentrar em São Paulo e no Rio para começarmos a investir nos outros estados. A loja que abrimos em Manaus, na Amazônia, por exemplo, vendeu muito mais do que esperávamos. Também estamos apostando em nosso e-commerce brasileiro. Queremos, com isso, dar oportunidade a moças de cidades do interior do País de comprarem nossos produtos sem terem de ir aos grandes centros.

O que explica o sucesso da marca por aqui? A vaidade das brasileiras?
Elas têm forte interesse na moda, em beleza e tendências. São muito sofisticadas no modo de se vestir e agir. O Brasil é o segundo país que mais acessa nosso Facebook. E elas sempre usam as informações de forma original. Isso é a cara da M.A.C: seja quem você é, celebre a sua individualidade.

Além do Brasil, vocês têm planos de expandir em outros países emergentes?
Em todos. Estamos abrindo lojas na Namíbia e no Saara, por exemplo. Hoje, estamos em 106 países, entre os quais China, África do Sul, Israel, Turquia e Índia. Sem deixar os de primeiro mundo de lado, claro.

Os batons são os produtos mais vendidos no Brasil. Qual é a sua cor preferida?
O Viva Glam, porque as vendas da linha são revertidas para a M.A.C Aids Fund./SOFIA PATSCH