Serra, chanceler, repudia ataques bolivarianos

Sonia Racy

13 de maio de 2016 | 19h39

José Serra deu ontem, em seu primeiro dia como chanceler do governo Temer, a sinalização de novos tempos na diplomacia brasileira. Em duas notas, respondeu a ataques de Venezuela, Equador e outros países bolivarianos ao Brasil e dirigiu uma crítica direta ao secretário-geral da Unasul, Ernesto Samper.

Na primeira nota oficial, o ministro diz que o MRE “rejeita enfaticamente as manifestações dos governos da Venezuela, Cuba, Bolívia, Equador e Nicarágua, assim como da Aliança Bolivariana para os Povos de Nossa América/Tratado de Comércio dos Povos (ALBA/TCP), que se permitem opinar e propagar falsidades sobre o processo político interno no Brasil”. Esse processo, diz ele, “se desenvolve em quadro de absoluto respeito às instituições democráticas e à Constituição Federal.”

Na segunda nota, o ministro “repudia declarações do secretário-geral da Unasul, Ernesto Samper, sobre a conjuntura política no Brasil”. Samper classificou recentemente de “golpe” o processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff e defendeu seu governo. Tais declarações, segundo a nova diplomacia brasileira, “qualificam de maneira equivocada o funcionamento das instituições democráticas do Estado brasileiro”.

O texto acrescenta que, “além de errôneos”, os termos de Samper “deixam transparecer juízos de valor infundados e preconceitos contra o Estado brasileiro e seus poderes constituídos e fazem interpretações falsas sobre a Constituição e as leis brasileiras”. Classifica de “interpretação absurda” o que o secretário-geral da Unasul afirma sobre o País. “A realidade é oposta”.

O ministro conclui afirmando que essas interpretações “são incompatíveis com as funções que (Samper) exerce e com o mandato que recebeu do conjunto de países sul-americanos nos termos do Tratado Constitutivo e do Regulamento Geral da Unasul”.