‘Ser ético sai caro’

‘Ser ético sai caro’

Sonia Racy

23 de março de 2011 | 23h01

Foto: Luciana Prezia

Em São Paulo para lançar sua coleção na C&A, Stella McCartney falou à coluna. Filha de Paul McCartney, estilista de Madonna e Gwyneth Paltrow, a moça é conhecida pela defesa dos direitos dos animais. Não apenas milita contra o uso de couro, peles e lãs em suas coleções, como faz questão de usar materiais orgânicos e recicláveis. Abaixo, trechos da conversa:

O corpo das brasileiras exigiu adaptações?

Escolhemos uma brasileira para o molde. E ajustamos a modelagem para corpos mais curvilíneos. Adorei trabalhar para a mulher brasileira, que considero bonita, afetiva e sensual.

Você foi pioneira na militância contra o uso do couro nos desfiles. Qual é a importância disso?

Fui criada com dieta vegetariana e embasamento ético. Seria muito hipócrita não comer animais e matá-los para fazer roupas, sapatos e bolsas. Quando comecei minha carreira, tinha isso muito claro. A indústria da moda mata quase 15 milhões de animais por ano, gerando grande impacto ambiental. Acho difícil entender o porquê de se usar peles exóticas, como a de crocodilo. Nem o animal se come! Isso está fora de moda. A nossa indústria é cruel com o planeta, mas ainda acredito que as coisas possam mudar.

Sua militância se estende ao uso de materiais orgânicos e recicláveis. Isso é viável economicamente?

Definitivamente, é mais caro ser ético. O que percebo é que, muitas vezes, tomam-se decisões pensando só em dinheiro e lucro. Não sou perfeita, mas se eu puder fazer camiseta orgânica tão bonita quanto a normal, eu farei. A dificuldade é explicar ao cliente a razão de às vezes um produto sair mais caro.

Como britânica, o que pensa sobre a monarquia e a futura princesa Kate Middleton?

Não falo publicamente sobre minhas posições políticas ou sobre a realeza britânica. Mas estou feliz pelos dois. E espero que sejam muito felizes.

Você acha que ela é elegante, veste-se corretamente?

Para a posição dela, sim, considero-a correta.

E o que pensa sobre a demissão de John Galliano, depois de ter feito declarações consideradas antissemitas?

Não gostaria de falar sobre isso. É muito triste para todo mundo.

MARÍLIA NEUSTEIN

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.